GREVE DOS PROFESSORES É PARCIAL EM SÃO GABRIEL. MAIORIA DAS ESCOLAS FUNCIONA NORMALMENTE.

marques luz alunos

Maior adesão acontece na Escola Marques Luz, onde não tem aula no turno da noite. No período do dia (manhã e tarde), as atividades são praticamente normais

A greve dos professores da rede estadual de ensino no Rio Grande do Sul chegou ao terceiro dia na sexta-feira (17/03), mas com índice muito baixo de adesão. Em São Gabriel, de acordo com o 41º Núcleo do Cpers-Sindicato, a maioria das instituições estão funcionando quase que normalmente. Algumas, como a Escola Celestino Lopes Cavalheiro tem confirmada a paralisação de alguns funcionários. Outras, como a Escola José Sampaio Marques Luz, no Bairro Cidade Nova, os turnos da manhã e tarde funcionam parcialmente, enquanto o período da noite (reservado para alunos do EJA) está parado.
“Estamos pedindo adesão, no mínimo, até dia 25 quando será feita a avaliação (reunião da Coordenação Nacional) e convidando para a plenária do dia 21”, explica o Diretor do 41º Núcleo, professor Pedro Moreira.
A Plenária – que trata da Reforma da Previdência – será realizada no dia 21, às 16 horas, no auditório da Escola Estadual XV de Novembro. O tema será discutido com os palestrantes Érico Corrêa, do Sindicaixa, e Rafael Cruz, da Unipampa. O evento é aberto para a participação de todos os trabalhadores.

ENTENDA
A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) aprovou no 33º congresso da entidade, realizado de 12 a 15 de janeiro, a deflagração de uma greve nacional da educação a partir do dia 15 de março.
O Cpers-Sindicato realizou, dia 8 de março, uma assembleia geral e decidiu manter a mobilização até o dia 25. Na avaliação do CPERS, o alinhamento dos governos Temer e Sartori está se traduzindo em propostas de privatização, desmonte dos serviços públicos e retirada de direitos sociais e trabalhistas.
No Brasil, os eixos centrais da greve serão a oposição à proposta de Reforma da Previdência, encaminhada pelo governo de Michel Temer ao Congresso Nacional (PEC 287/16), e o cumprimento integral do Piso nacional do magistério. Os comandos estaduais e municipais de mobilização agregaram outras pautas à paralisação, de acordo com as realidades locais.
O congresso da CNTE, realizado em Brasília, considerou inevitável a deflagração de uma greve nacional em função dos desdobramentos do que definiu como “golpe jurídico-parlamentar e midiático” no Brasil. Esse golpe, na avaliação da confederação, afronta o Estado Democrático de Direito previsto na Constituição, substitui as políticas de distribuição de renda por políticas de privatização e terceirização, e engessa o Estado brasileiro, por meio do congelamento dos investimentos por vinte anos, impedindo-o de promover o crescimento econômico. Além disso, criticou ainda a confederação, pretende impor uma Reforma da Previdência que “castigará a classe trabalhadora e os mais pobres do país, especificamente na educação as mulheres, patrocinando o desmonte da previdência pública e promovendo os fundos privados”.
Ainda segundo a CNTE, a greve nacional da educação também pretende fortalecer a construção da greve geral da classe trabalhadora, que deve ser convocada pelas centrais sindicais este ano.

PROBLEMAS COM TRANSPORTE ESCOLAR VIRA PAUTA DE REUNIÃO NA CÂMARA MUNICIPAL.

EDER BARBOSA

As dificuldades enfrentadas, nos últimos dias, com a falta de transporte escolar em algumas localidades, no interior, e até na área urbana, foram pautas discutidas entre os Vereadores e o Coordenador do Setor de Transporte Escolar da Secretaria Municipal de Educação (SEME), Geovani Langendorf, na última quinta-feira (16/03), durante sessão legislativa. O funcionário público foi convidado a participar da reunião para esclarecer denúncias feitas ao Poder Legislativo.
O tema – Transporte Escolar – vem sendo abordado, neste princípio de ano letivo, pelo Vereador Éder Barbosa, do PT, e foi ele o responsável pela elaboração do convite feito ao Coordenador do Setor.
Segundo Langendorf, os problemas são consequências da diminuição de repasses do Estado, das más condições das estradas e a não conclusão da licitação das linhas terceirizadas.
O Coordenador ainda informou que foram resolvidos parte dos problemas que chegaram ao conhecimento do Setor, citando os casos das linhas Palmeirinhas e Pontes Brancas e ainda a linha do Azevedo Sodré, onde o ônibus – por causa da ponte comprometida, que oferece riscos aos alunos – deverá ir até a Fazenda Cambará e retornar até a estrada. A linha Pomares, que levará alunos no turno da noite, iniciará na próxima semana, com ônibus da Prefeitura, e a linha Élbio Vargas, até o centro, a princípio, não terá transporte, porque se trata de área urbana.
O Coordenador ainda explicou a questão envolvendo a liberação de passagens e, mais uma vez, o problema é resultado da redução nos repasses do Estado.
O Vereador Éder Barbosa, com base nas informações do Setor de Transportes, confirmou que a licitação para o transporte escolar terceirizado está em processo judicial e algumas linhas estão sendo feitas com recursos emergenciais. “Algumas empresas admitem a possibilidade de desistirem das linhas por causa das precárias condições de trafegabilidade”, informa o vereador.
“Somos cobrados. Não podemos retroceder, precisamos de respostas e de ações. Lamentavelmente estamos iniciando o ano letivo inseguros e nesta situação preocupante. Os usuários nos procuram desesperados, pois, muitas vezes, não tem condições financeiras de pagar um transporte. Como vereador estou à disposição da comunidade para fazer uso das minhas atribuições de fiscalizar e cobrar as devidas providências ao Poder Executivo”, finalizou.

ESCOLAS ESTADUAIS FECHARAM NA QUARTA-FEIRA DE PROTESTOS PELO BRASIL.

escola joão pedro nunes

Policiais civis, federais e rodoviários da região metropolitana e do interior do Estado, além de outros agentes de segurança pública, se reuniram, na manhã desta quarta-feira (15), em frente ao Palácio Piratini, para protestar contra a reforma da Previdência. O ato, que também aconteceu em outras capitais do país, faz parte do Dia Nacional de Mobilização e Paralisação contra a Proposta de Emenda Constitucional 287, apresentada pelo governo Michel Temer (PMDB) e definida pelos trabalhadores como “extinção da aposentadoria”. A proposta, entre outros pontos, define idade mínima de 65 anos para aposentadoria e exigência contribuição por 49 anos para obtenção dos rendimentos integrais.
O dia de protesto contra a Reforma da Previdência causou transtornos, principalmente no interior do Rio Grande do Sul. Na Zona Sul do Estado, a BR-116, no trevo de acesso a São Lourenço do Sul, teve bloqueios intercalados por agricultores e funcionários públicos. Mais cedo, ocorreram bloqueios na BR-392, em Canguçu, na BR 116 em frente a empresa Guerra, em Caxias do Sul, na RS-122, entre Caxias e Farroupilha, na BR-116 na Praça do Avião, em Canoas e na RS 239, em Sapiranga.
Não teve transporte coletivo em Passo Fundo. Em Caxias do Sul, os ônibus voltaram a operar por volta das 7h, após paralisação nas primeiras horas da manhã. Em Porto Alegre e na Região Metropolitana, os ônibus e os trens não circularam normalmente.
Na Capital, manifestantes ligados à Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB) protestaram na região da Estação Rodoviária de Porto Alegre, sem bloquear o trânsito. Outro grupo de pessoas realizou manifestação na avenida João Pessoa com Ipiranga, no sentido Bairro/Centro.
A quarta-feira (15/03) também marcou o início da greve dos professores estaduais. Em São Gabriel, todas as escolas estaduais ficaram fechadas durante o dia. O diretor do 41º Núcleo do Cpers Sindicato, professor Pedro Moreira, espera que a mobilização continue até o dia 25 de março, quando será feita uma avaliação do movimento.
Em resumo: a decisão é manter as escolas fechadas até a próxima semana. No entanto, se isso vai acontecer, só depende do estado de mobilização dos professores no Rio Grande do Sul.
Hoje, professores de São Gabriel participaram de um ato público na Escola Costa e Silva pela manhã e de ato unificado na parte da tarde.

MAIS DE UM MILHÃO DE PROFESSORES ENTRAM EM GREVE CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA.

professores

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) espera a adesão de mais de um milhão de professores e profissionais da rede pública de ensino na greve nacional que é deflagrada na quarta-feira (15/03). A paralisação, que vai atingir todos os estados do país, inaugura um calendário intenso de mobilizações envolvendo centrais sindicais e movimentos populares contra a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 287/2016, que muda as regras da aposentadoria no país.
Apresentada ao Congresso Nacional pelo governo Temer, a medida estabelece idade mínima de 65 anos para homens e mulheres poderem se aposentar e ainda exige contribuição de 49 anos para que o trabalhador possa receber o valor integral do salário. Alguns benefícios também poderão ser desvinculados do salário mínimo, diminuindo o valor da aposentadoria ao longo do tempo.
Todas as 48 entidades filiadas à CNTE, que incluem sindicatos municipais e estaduais de professores, aprovaram a convocação da greve geral da categoria. A paralisação vai durar inicialmente 10 dias e, no dia 25 de março, o movimento vai avaliar a continuidade das mobilizações.
Segundo Heleno Araújo, presidente da confederação, o movimento sindical e social como um todo, incluindo as maiores centrais e as frentes Brasil Popular (FBP) e Povo Sem Medo (FPSM), também promoverão atos contra a reforma da Previdência no dia 15.
“A meta é barrar essa reforma. Existe escola pública em cada bairro de cada município desse país. Vamos dialogar diretamente com a comunidade explicando a gravidade das mudanças que estão sendo propostas. Não tem final de semana nem feriado, estamos em uma verdadeira campanha, mas, dessa vez, para evitar um grave retrocesso”, explica.
Uma das principais ações locais durante a greve é pressionar as bases eleitorais de deputados que são a favor da reforma. A tática já tem surtido efeito, explica Heleno Araújo. Na semana passada, uma liminar obtida pelo deputado federal Heitor Schuch (PSB-RS) chegou a proibir a CUT do Rio Grande do Sul de distribuir um jornal especial sobre a reforma da Previdência. Uma das matérias estampava fotos de parlamentares do estado que apoiavam a medida. A censura acabou sendo derrubada posteriormente na Justiça.
“Esse caso mostra que os deputados, quando têm sua posição política contra o povo exposta na mídia, entram em pânico. Nós vamos expor todos eles”, promete Heleno Araújo, que acredita que o governo não terá os 308 votos necessários na Câmara dos Deputados para aprovar a PEC. A proposta, se passar na Câmara, ainda depende do voto de 49 senadores, em dois turnos. O governo Temer sonha em ver a medida aprovada até julho.

Aposentadoria improvável
Para a CNTE, a PEC 287 torna as regras para a aposentadoria tão difíceis de serem alcançadas que os trabalhadores se sentirão obrigados a contratar planos privados de Previdência, caso tenham condições financeiras para isso. Ao mesmo tempo, com a expectativa média de vida no país girando em torno de 75 anos, as pessoas vão trabalhar quase até a morte. Em alguns estados, como Maranhão e Alagoas, por exemplo, a expectativa de vida chega a ser menor do que a idade mínima que o governo está propondo para a aposentadoria.
No caso dos trabalhadores em educação, explica Heleno Araújo, o impacto da reforma da Previdência será “brutal”.
“Uma professora que atualmente se aposenta após 25 anos de contribuição vai ter que trabalhar um total de 49 anos para receber o salário integral, ou seja, querem elevar em mais de 400% o tempo que essa docente teria que trabalhar para se aposentar”, exemplifica.
Além disso, o presidente da CNTE lembra que mais de um terço da categoria já sofre com doenças do trabalho. Se a reforma passar, Heleno Araújo prevê um cenário “terrível” para a educação pública no Brasil.
“Vai aumentar e muito o número de doenças e afastamentos de professores, onerando as prefeituras ainda mais. Essa PEC só serve para desmontar ainda mais os serviços públicos no país, e vai afetar desde a creche até o ensino médio”, argumenta.

Previdência não tem déficit
O principal argumento do governo federal para propor uma reforma tão profunda na previdência seria o déficit do setor. No entanto, dados da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal desmentem essa tese. As receitas da Previdência fazem parte do orçamento da Seguridade Social que, além dos benefícios previdenciários, inclui saúde e outros programas sociais, como o Bolsa Família. Em 2015, as receitas da Seguridade Social foram de R$ 694 bilhões, enquanto as despesas foram de R$ 683 bilhões, um saldo positivo de R$ 11 bilhões.
Além disso, os débitos previdenciários e a sonegação de impostos por empresas somaram, em 2015, mais de R$ 350 bilhões, o que representou 77% do total de despesas com aposentadoria no mesmo ano (R$ 436 bilhões), indicando que o combate às fraudes poderia sanar qualquer possibilidade de déficit na previdência. Para o governo, no entanto, a solução é restringir o acesso à aposentadoria.

APAE-SG RECEBE NOVO VEÍCULO PARA TRANSPORTE DE ALUNOS.

VEÍCULO DA APAE

A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de São Gabriel (APAE-SG), desde as primeiras horas desta quarta-feira (08/03), já está com veículo novo a disposição para o transporte de alunos. De acordo com a direção da entidade, 65 pessoas estão sendo beneficiadas diretamente com o novo transporte, que busca e leva em casa os internos que não tem como se deslocar até a sede da Associação.
A nova Kombi chega para substituir uma viatura antiga, fabricada em 1991 – que passava mais tempo na manutenção do que em serviço – e foi usada pela APAE por um período de 19 anos. O veículo, apesar de não ser zero quilômetro, custou R$ 37 mil.
A aquisição é fruto do trabalho coletivo de duas empresas (Sagave e Urbano) e do Vereador Sildo Cabreira, do PDT, que intermediou – em 2014 – a doação de uma caminhonete Ranger para a APAE.
“Na época, o superintendente regional do Ministério do Trabalho, Flávio Zacher, ofereceu um veículo para São Gabriel. Ele já havia conseguido, anteriormente, dois automóveis (para a Pró-Down e Abrigo Espírita Manoel Viana de Carvalho) e novamente foi ele o responsável pela doação de uma caminhonete para a APAE”, explicou o Vereador, que hoje comanda a Secretaria Municipal de Educação de São Gabriel.
Para adquirir Kombi, a APAE aceitou fazer uma troca com a Prefeitura, cedendo a pick-up e recebendo um Vectra 2011. Este veículo acabou sendo vendido por R$ 25 mil. Esse valor, mais R$ 5 mil da venda da antiga Kombi e R$ 7 mil doados pela Urbano possibilitaram que fosse comprada a nova viatura.
A Presidente da APAE-SG, Rita Dias, destacou o trabalho do parlamentar e revelou a importância da nova viatura. “Vai nos garantiu mais tranquilidade e economia, pois o veículo antigo passava estragando”, comentou.
A dirigente ainda destacou o trabalho desenvolvido pelas empresas Sagave, responsável pela venda do Vectra, e Urbano Agroindustrial, que complementou o valor de R$ 7 mil para aquisição da Kombi.

Também auxiliaram a APAE e possibilitaram que fosse adquirida a nova viatura as empresa: Perfect Car, Saccol Comércio de Baterias, Posto Janter, Zoio Som e GGM Comunicação Visual.

EDUCAÇÃO AMPLIA ESPAÇO EM ESCOLA E REMANEJO DE ALUNOS PROVOCA RECLAMAÇÕES DE PAIS.

NOSSA SENHORA MENINA 1

Crianças do maternal está sendo atendidas no prédio do antigo Instituto Palmira. Na parte de trás do prédio, ficaram as crianças menores – do berçário. Foram colocados ventiladores para quando forem registradas temperaturas elevadas e a Secretaria de Educação “estuda” a colocação de ar condicionado nos próximos meses

Os pais de 243 crianças reagiram imediatamente a decisão da Secretaria Municipal de Educação (SEME) em transferir quatro turmas da Escola de Educação Infantil Nossa Senhora Menina para o prédio do antigo Instituto Palmira Vieira, que passou a ser complemento da instituição que funciona na parte de trás do terreno, na área central de São Gabriel. Desde o início da semana, no local, foram implantadas as turmas de maternal, beneficiando imediatamente 84 crianças que não tinham vagas garantidas na Rede Municipal.
O benefício, no entanto, passou batido tendo em vista a preocupação dos pais com a segurança das crianças levando em consideração as condições estruturais do antigo prédio.
Os pais que reclamaram se embasaram nos relatos da própria SEME, que no início do ano providenciou a transferência da sua sede para o prédio da Cooperativa de Lã Tejupá, na Rua General Câmara, alegando que o casarão não oferecia condições para sediar o setor administrativo da Educação.
Na época, o antigo instituto se “revelou” um local impróprio para as atividades do setor e apresentou problemas estruturais que teriam que ser resolvidos a curto prazo.
Mas, se não servia para sede da SEME, porque pode ser usado para abrigar turmas do maternal? Essa foi a pergunta feita pelos pais.
O Secretário de Educação, Professor Sildo Cabreira, tranquilizou a comunidade escolar e marcou reunião com os pais para explicar e mostrar o que foi feito para garantir o bem-estar das crianças e a segurança.
Segundo ele, a SEME não pôde ficar no local porque não havia espaço físico (e esse era o problema de estrutura) para a organização de todos os setores que integram a Pasta. Além disso, para que a Secretaria funcionasse no Instituto, seria preciso fazer alterações na parte estrutural do prédio e, como se trata de patrimônio histórico, é uma ação que não tem permissão do Conselho Municipal de Cultura.
Um laudo – de uma engenheira da Secretaria de Obras do Município – qualifica a estrutura do prédio como segura. Dentro é possível ver alguns defeitos na área do forro junto as paredes, mas que só poderá ser reparado com um trabalho de restauração, já que o Conselho não autoriza mudar a arquitetura do casarão.
Nada, no entanto, oferece riscos para integridade física das crianças. Pelo contrário, o remanejo acabou dando mais amplitude a área e facilitando o trânsito de pessoas e o trabalho de monitoras e educadoras.
A SEME também já providenciou a substituição de vidros das janelas e recuperação de outras que estavam com problemas nas dobradiças e ainda determinou a colocação de ventiladores nas salas de aulas.
Também foi feita a pintura interna do casarão, fios de luz que estavam à mostra foram colocados em caneletas, foram trocadas tomadas e chaves de luz.
“Outro detalhe. Para ser sede da SEME, a rede elétrica precisaria ser adequada pois temos mais de 20 computadores e 10 impressoras além de 10 aparelhos de ar condicionados”, finalizou o Secretário.

MAIOR OFERTA
A Escola de Educação Infantil Nossa Senhora Menina foi criada em 2015 com o objetivo de atender os filhos de pessoas que trabalham, principalmente, na zona central de São Gabriel.
A Escola também apontou, no topo da lista, como a instituição responsável por desafogar as outras creches e por ampliar a oferta de vagas na Rede Municipal. Em 2015, quando foi inaugurada, tinha 140 alunos. Hoje, o número é praticamente o dobro.
De acordo com a Coordenador de Educação Infantil do Município, Caroline Lodovski, o último levantamento feito, em fevereiro, constatou que a Rede tem 1.734 crianças matriculadas. E, conforme ela, esse número vai superar 2 mil quando sair a próxima recontagem.
Com as adequações feitas nas Escolas de Educação Infantil, a Secretaria de Educação conseguiu diminuiu de 400 para cerca de 95 o déficit de vagas na Rede.

CPERS REALIZA ATO EM PORTO ALEGRE NO DIA DA MULHER E ASSEMBLEIA AVALIA INDICATIVO DE GREVE.

assembleia cpers

O Cpers-Sindicato está mobilizando a todas as educadoras e educadores para as atividades desta quarta-feira (08/03) – Dia Internacional da Mulher. O dia inicia com a atividade “Mulher em Marcha”, às 5h30 na Ponte do Guaíba, em Porto Alegre. Participarão do ato centrais sindicais, movimentos sociais e sindicatos.
As atividades propostas no Dia Internacional da Mulher são contrarias a Reforma da Previdência e a PEC 287 proposta pelo presidente Michel Temer (PMDB), que estipula a idade mínima de 65 anos para as trabalhadoras como condição para requerer a aposentadoria. Logo após a marcha, às 10h ocorre a plenária “O impacto da reforma da previdência na vida das mulheres trabalhadoras”, no Teatro Dante Barone na Assembleia Legislativa.
Também nesta quarta-feira ocorre a Assembleia Geral do Cpers, às 13 horas, no Ginásio Gigantinho – Av. Padre Cacique, 891 – bairro Praia de Belas, em Porto Alegre.
“Na Assembleia vamos discutir a nossa pauta e o nosso movimento em 2017. Os ataques do governo Sartori ainda continuam, temos que estar atentos à Assembleia Legislativa. E no governo federal vem o maior ataque a nós mulheres, que é o fim da previdência, não vamos dizer que é reforma, é sim o fim da aposentadoria, é um desrespeito total a nós mulheres. Por isso, dia 08, nós temos apenas um lugar para estar, nas ruas deste Estado, nas ruas deste país e na nossa Assembleia”, explica a presidente do Cpers, Helenir Aguiar Schürer.
Em São Gabriel, no sábado passado, o 41º Núcleo realizou Assembleia Regional com a presença de 26 professores dos Municípios de Vila Nova do Sul, Santa Margarida do Sul e São Gabriel. Os educadores aprovaram a pauta, que prevê indicativo de greve e horários reduzidos nestes primeiros dias de aulas. Uma delegação – representando o Núcleo – sai do Município na madrugada desta quarta-feira em direção a Porto Alegre.

Confira o cronograma das atividades do Dia Internacional da Mulher:
05h30min – Mulheres em Marcha
Contra a reforma da previdência
Porto Alegre / Ponte do Guaíba
10 horas – O impacto da reforma da previdência na vida das mulheres trabalhadoras.
Teatro Dante Barone/ Assembleia Legislativa do RS
13h30min – Assembleia Geral CPERS Sindicato
Gigantinho.
17h30min – Caminhada 8 de março
Porto Alegre/ Esquina democrática