PIBID OFERECE 10 BOLSAS PARA EDUCAÇÃO FÍSICA DA URCAMP.

PIBID
O Programa Institucional de Bolsas à Iniciação Científica (PIBID) está de volta, depois de ter sido encerrado pelo Governo Federal no final de 2017. E dessa vez são 70 vagas destinadas a alunos que estejam cursando até o 6º semestre, ou até 60% do curso integralizado. Os aprovados recebem bolsas de R$ 400,00 (quatrocentos reais) e desenvolvem trabalhos em escolas da rede pública. São atividades de aprendizado que buscam dar suporte e instrumentalizar o acadêmico que tem pretensão à docência.
As vagas na Urcamp estão divididas entre os seguintes cursos: – 10 vagas para Educação Física – Bagé; – 10 vagas para Educação Física – São Gabriel; – 10 vagas para Ciências Biológicas; – 40 vagas para Pedagogia.
As inscrições aos interessados estão abertas somente até o dia 30 de julho e são feitas nas secretarias de cada curso e os trabalhos nas escolas já iniciam no dia 10 de agosto. O candidato deverá enviar cópia do Curriculo Lattes ao e-mail pibid1@urcamp.edu.br. “O PIBID visa proporcionar práticas à docência a fazer com que os alunos estejam preparados para o exercício da profissão docente”, explica a coordenadora do programa na Pedagogia, professora Viviane Gentil. Ela conta que é fundamental que todas as vagas sejam preenchidas para que a Urcamp não corra o risco de perder ou ficar de fora do projeto. Além disso, há um índice que comprova a eficácia do programa na vida do acadêmico. “Na pedagogia 100% dos alunos egressos do PIBID tiveram colocação no mercado de trabalho”, destaca Gentil.
Mais de 400 acadêmicos participaram do programa na Urcamp, desde o seu início, em 2012.

Anúncios

JOGOS DE INTEGRAÇÃO MARCAM PRIMEIRO ENCONTRO DOS COLÉGIOS DA REDE URCAMP.

jogo urcamp

Jogos da Integração, um evento esportivo organizado para conquistar bem mais que uma medalha de ouro ou troféu: acadêmicos ser reuniram pela pela integração, conhecimento e pelo objetivo de serem parte de um mesmo grupo, separados por cidades distantes.
O Colégio da Urcamp, segmentado em quatro partes. São Gabriel sediou na sexta-feira passada (13/07), o primeiro encontro de todas as escolas da rede. O evento reuniu alunos dos ensinos fundamental e médio e contou com o apoio dos acadêmicos do curso de Educação Física de São Gabriel.
Para a anfitriã do I JINTEM, Diretora do Colégio da Urcamp de São Gabriel, professora Marta Menezes Dias, a integração era algo que todos almejavam e que, finalmente, estava sendo realizado naquela sexta-feira de sol. “A nossa acolhida é integrar as escolas, através do esporte, do ar livre, da estrutura que temos aqui. Esse evento nos proporcionou reunir não apenas os colégios da Urcamp, mas também familiares, acadêmicos e egressos”, comenta ao destacar que as excursões já estão marcadas para duas outras datas. “Vamos para o CineCamp, em Sant’Ana do Livramento, e para o Dia da Integração, em Alegrete. As escolas estão organizando eventos para que nós possamos interagir e levar nossos alunos ao encontro daqueles que são parte da mesma rede”.
Os jogos, que aconteceram nos turnos de manhã e tarde, reuniram estudantes de ensino fundamental e médio e acadêmicos do curso de Educação Física do Campus de São Gabriel. Estes últimos foram os responsáveis por apitar os jogos, organizar parte do evento, mesários nos jogos de quadra, e cronometragem no atletismo.
O evento contou com dança, capoeira, handebol, futsal, atletismo, e outras atividades ao longo do dia. No total, 150 alunos dos Colégios de Alegrete, Dom Pedrito, São Gabriel e Sant’Ana do Livramento participaram do I JINTEM. Para o professor de Educação Física do Colégio e da Graduação de São Gabriel, Adriano Saldanha Teixeira, quem bateu um bolão foi a internet. Ele inventou uma nova força de integração através de grupos de WhatsApp. Todos os alunos forneceram seus contatos e depois eles poderiam pegar um número. A partir de então, foram criando grupos. Horas mais tarde, além de diversos grupos, muitos já saiam de São Gabriel com novos amigos. “Eles estão sempre com o celular na mão. Já faz parte da rotina. Como a nossa ideia era a de explorar a integração em todos os âmbitos, optamos por implementar essa atividade. E deu certo. Somos uma mesma rede, mas não tínhamos vínculo. Agora estamos integrados, também, pelo celular”, conclui.
Entre os jogos, os alunos puderam interagir na área verde do campus, onde está localizada a pista de atletismo. Eles formaram rodas de conversas e já saíram combinados para o próximo encontro: em Sant’Ana do Livramento.

VEREADOR QUER INSTITUIR PROGRAMA QUE GARANTE MERENDA ESCOLAR MESMO EM PERÍODO DE FÉRIAS DE INVERNO.

Rossano FariasIndicação do vereador Rossano Farias, do PSB, propõe ao Governo Municipal a criação de um programa de merenda nas férias de inverno em São Gabriel. Segundo ele, a proposição visa garantir aos alunos da rede pública municipal a manutenção das refeições mesmo durante o período de recesso para os estudantes.
“Todos sabemos que manter a criança e o adolescente na escola e alimentados é o fator primordial para uma educação boa e sadia dos alunos. Garantir alimento e refeição é função do Estado, sendo o mínimo que podemos propor aos nossos alunos, visto que em muitos casos, infelizmente, a merenda pode ser a única alimentação do dia daquele aluno”, argumentou.
O parlamentar encaminhou um anteprojeto de lei, onde orienta a equipe técnica da Prefeitura e facilita a implantação do projeto. O documento foi aprovado pelo Poder Legislativo e foi repassado ao Governo Municipal.
Na reunião que teve com o prefeito Rossano Gonçalves, na semana passada, o vereador tratou do tema. Segundo ela, a proposição foi bem aceita pelo Chefe do Executivo, que encaminhará o documento para análise da Secretaria de Educação. A ideia – se implantado o programa – é beneficiar as comunidades mais carentes, implantando as ações nas escolas que atendem a camada mais pobre da sociedade.

SAIBA MAIS

Para que seja instituido o programa nas escolas, a SEME – Secretaria Municipal de Educação deve consultar pais e responsáveis, em todas as escolas, para saber se há interesse e se de fato encaminharão os alunos para alimenta-se durante o período de férias.
Conforme o projeto, para a escola ser incluida no programa, tem que haver interesse de, pelo menos, 35% dos pais ou responsáveis.
Para a execução do projeto, a Câmara de Vereadores autoriza a Prefeitura a alterar os contratos de licitação de merenda escolar em andamentos nos termos da legislação, podendo ainda adquirir merenda escolar por inexigibilidade de licitação ou dispensas de licitação.

ESCOLA É ARROMBADA, DESTA VEZ, NO INTERIOR DO MUNICÍPIO.

36872564_422168448193303_5806010191723888640_n

Mais uma escola da Rede Pública Municipal é arrombada. O crime aconteceu no final de semana passado, na Escola Ernesto José Annoni, na localidade de Cerrito – Catuçaba, no interior de São Gabriel. Na página oficial da SEME – Secretaria Municipal de Educação no facebook, fotos mostram o vandalismo. “Não vamos desistir de nossas escolas e, como na cidade, que estamos tomando ações energéticas contra esses indivíduos, vamos agir também nas Escolas do Campo”, diz a mensagem publicada na rede social.
Foi o segundo ataque a uma escola municipal em menos de 10 dias. No dia 28 de junho, a Escola Dom Pedro II foi arrombada. A parte interna da instituição foi depredada e alimentos foram jogados fora. Uma semana antes, a escola já havia sido ataca por marginais.
Depois disso, a SEME contratou um vigilante e instalou câmeras de segurança. Medidas semelhantes foram adotadas na Escola Telmo Menezes, que foi arrombada há dois meses. Mais duas escolas receberam câmeras de segurança: Caic e Presidente Kannedy. O secretário de Educação, professor Sildo Cabreira, disse que a Prefeitura Municipal vai colocaram câmeras em mais 10 escolas.

EDUCAÇÃO COLOCA CÂMERAS DE SEGURANÇA EM ESCOLAS “ATACADAS” POR MARGINAIS.

Telmo - vigilância

“Sorria, você está sendo filmado”. A plaquinha, com a figura de uma câmera indicando que naquele local tem monitoramento de segurança, vai ser vista com mais frequência nas escolas da rede pública municipal. A medida de segurança foi adotada, em algumas instituições, ainda no primeiro trimestre deste ano, como é o caso da Escola Menino Jesus – Caic e, mais recente, nas escolas Telmo Menezes e Dom Pedro II.
De acordo com o Secretário Municipal de Educação, professor Sildo Cabreira, hoje, três instituições já estão com o processo de monitoramento implantado e em funcionamento: Menino Jesus (Caic), Telmo Menezes e Dom Pedro II e, nos próximos dias, o sistema estará em funcionamento na Escola Presidente Kennedy, na Vila Mariana.
Até o final do ano, com a conclusão do processo licitatório, mais 10 instituições terão videomonitoramento em funcionamento.
A medida tem o objetivo de ampliar a segurança interna e estender o poder de visualização das ações dos alunos no ambiente escolar, mas, com certeza, em comunidades com Élbio Vargas e Santa Clara, a antecipação das instalações foi motivada pelo aumento da criminalidade com ataques diretos as instituições de ensino.
Conforme informações da direção da Escola Telmo Menezes, entre em janeiro e julho deste ano, a instituição foi invadida oito vezes. Em algumas oportunidades, os marginais ainda tentaram arrombar salas e furtar objetos, mas, na maioria dos casos, eles optaram por depredar o patrimônio e fizer pichações nas paredes.
Na zona sul, o problema é mais grave. A SEME antecipou a implantação de câmeras e ainda colocou um vigilante no período da noite.
Tudo isso, porque a Escola Dom Pedro II foi invadida por marginais duas vezes em menos de uma semana.
No ataque mais recente, os bandidos picharam portas e armários com frases de deboche: “Fecha direito”, “Vo vim roba de novo” e “Comprem coisas melhores”.
Os marginais, além de depredarem o espaço interno, também desperdiçaram alimentos, espalhando o material pelas mesas e pelo piso.
Os bandidos ainda levaram três cobertores, um notebook e um pequeno valor em dinheiro. Para ter acesso ao local, os marginais arrombaram as portas das salas de biblioteca, secretaria, direção, recursos e refeitório, e ainda danificaram as portas de todos os armários.
A Polícia Civil investiga os crimes. A implantação de câmeras de segurança vai auxiliar o trabalho dos policiais em caso de novos ataques. A ideia, no entanto, é que – com o reforço na segurança – acabem as invasões aos prédios públicos.

ESCOLA DOM PEDRO II FOI ARROMBADA PELA SEGUNDA VEZ EM MENOS DE UMA SEMANA.

WhatsApp Image 2018-06-28 at 15.10.06

Alimentos espalhados pelo piso… jogados fora

frases dos marginais

Depredação de patrimônio público: Bandidos ainda “debocharam” escrevendo nas portas dos armários

“Fecha direito”, “Vo vim roba de novo” e “Comprem coisas melhores”. A frases estavam pichadas em armários e portas da Escola Dom Pedro II, na Vila Santa Clara, quando a direção abriu a instituição de ensino para receber os alunos na manhã de quinta-feira (28/06). Foi o segundo ataque ao educandário em menos de uma semana. Os marginais (ainda não identificados), além de depredarem o espaço interno, também desperdiçaram alimentos, espalhando o material pelas mesas e pelo piso. Por causa do vandalismo, a SEME – Secretaria Municipal de Educação divulgou o caso pelas redes sociais informando a situação na zona sul.
A Polícia Civil investiga o crime. De acordo com o setor, os bandidos ainda levaram três cobertores, um notebook e um pequeno valor em dinheiro. Para ter acesso ao local, os marginais arrombaram as portas das salas de biblioteca, secretaria, direção, recursos e refeitório, e ainda danificaram as portas de todos os armários.
Na comunidade, o segundo arrombamento, em poucos dias, repercutiu negativamente. Alguns moradores cobraram ações imediatas. “Porque não colocam guarda noturno?”, questionou uma mulher. Outro morador publicou: “São pessoas, aqui do bairro mesmo, que fazem isso… Uma hora casa de vocês vai cair, tenho certeza disso”.
O tema foi debatido durante a sessão legislativa de quinta-feira. Para evitar novos ataques, a SEME vai instalar câmeras de vigilância e colocar alarmes em todas as escolas municipais.

CELESTINO E FERNANDO ABBOTT RECEBERÃO, JUNTAS, R$ 250 MIL.

Concentrado em melhorar o ambiente escolar para qualificar o ensino público, o governo do Estado assinou, na quarta-feira (27), a liberação de R$ 53,3 milhões do Programa Autonomia Financeira 2018, que vai beneficiar 349 escolas da rede pública estadual. O ato ocorreu no Palácio Piratini e teve a presença do governador José Ivo Sartori e do secretário da Educação, Ronald Krummenauer. De São Gabriel, duas escolas são beneficiadas com R$ 250 mil. A Escla Celestino Lopes Cavalheiro receberá R$ 100 mil e a Escola Fernando Abbott, R$ 150 mil.
Os recursos são provenientes do Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird) e do salário-educação. Os repasses vão direto para cada instituição de ensino e os recursos devem ser utilizados, exclusivamente, em reformas e ampliações. Esta é a terceira edição do programa, iniciado em 2016 e que já atendeu 1.002 demandas, totalizando R$ 134 milhões.
“É mais um investimento que reafirma o nosso empenho e foco total na qualificação do ensino. Fui professor e sei como um bom ambiente escolar é importante no cotidiano do aluno. Todos saem ganhando quando as próprias escolas decidem onde e como vão investir o recurso, de acordo com as suas necessidades. Isso agiliza o processo e permite que o dinheiro seja aplicado onde é urgentemente necessário”, ressaltou o governador.
Sartori disse que todo o esforço do governo é voltado para colocar o Rio Grande do Sul, aos poucos, no cenário de destaque que já ocupou em rankings educacionais do país. “Melhorar a qualidade é nossa obrigação enquanto governo e não fugimos dessa responsabilidade. A educação é o melhor caminho para que possamos reverter os índices negativos e corrigir os problemas que estamos enfrentando, refletidos em especial na segurança”, afirmou.
Segundo Krummenauer, praticamente todos os municípios gaúchos tiveram ou vão ter obras de autonomia financeira nas escolas. “Transferimos recursos até o limite da carta convite da Lei de Licitações, que a partir do mês de junho aumentou para R$ 330 mil e, até então, era R$ 150 mil. A autonomia financeira é dada porque a licitação é realizada dentro do ambiente escolar, com a participação da comunidade, e muitas vezes contratando empresas locais”, explicou.

Avaliação criteriosa
No processo anunciado hoje, as instituições foram selecionadas a partir de critérios técnicos. “A grande maioria por causa da rede elétrica, porque boa parte das escolas têm necessidade nesse sentido. Também existem apontamentos do Ministério Público e da comunidade escolar reclamando alguma necessidade. Outro critério é a parceria com as universidades e os processos de Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI) que já foram aprovados pelos Bombeiros, mas ainda não tiveram início”, esclareceu Krummenauer.
A seleção ainda leva em conta as análises do Comitê Gestor de Obras, que funciona dentro da Secretaria da Educação (Seduc), trazendo critérios pedagógicos, de recursos humanos e de necessidade de obras nas escolas.
Para o secretário de Planejamento, Governança e Gestão, Josué Barbosa, o repasse é resultado de um trabalho transversal realizado desde 2016 e coordenado pela pasta. “Avaliamos todos os projetos nas áreas essenciais e este já é o resultado de um processo de gestão transversal. Metas são prometidas e acompanhadas e os resultados concretos estão sendo entregues à sociedade”, finalizou.