PROGRAMA ÁGUA PARA TODOS BENEFICIA DUAS ESCOLAS DE SÃO GABRIEL.

OSMAR TERRA
Cerca de 165 escolas rurais agora terão acesso a água potável em 71 municípios do estado. Com um investimento de R$ 3 milhões, a iniciativa faz parte do Programa Água Para Todos – Universalização de Acesso à Água nas Escolas Rurais do Rio Grande do Sul. O anúncio foi feito na manhã desta sexta-feira (21/07), no Palácio Piratini, com a presença do governador José Ivo Sartori e do ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra.
Duas escolas de São Gabriel serão beneficiadas com o programa: Baltazar Teixeira da Silveira e Victoria D’Ávila Chiappetta.
Para o governador, a iniciativa significa importantes mudanças de vida para muitas pessoas. “O acesso à água é um direito. Apesar da crise, é fundamental seguir fazendo tudo que é possível para garantir o atendimento das necessidades básicas da população”, disse.
O ministro Osmar Terra destacou o compromisso assumido pelo governo federal. “Esta ação mostra a importância e a prioridade do governo em oferecer água potável para os alunos. Queremos resolver este problema e levar a qualidade de vida para toda a comunidade escolar do Rio Grande do Sul”, afirmou.
“Com esta iniciativa, levamos qualidade para dentro das escolas rurais. Não vamos apenas beneficiar os municípios, mas também a vida de diversos estudantes”, destacou a secretária adjunta da Educação, Iara Wortmann.
Com capacidade para armazenar 52 mil litros, as cisternas são construídas com placas de cimento e pode garantir o acesso à água por oito meses, beneficiando aproximadamente 12 mil pessoas, entre estudantes e funcionários.
Participaram da cerimônia o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Caio Rocha; o secretário do Desenvolvimento, Pesca e Cooperativismo, Tarcísio Minetto; além de prefeitos e representantes de diversos municípios do estado.
Também foi assinada a liberação de recursos pelo Ministério do Desenvolvimento Social para órgãos estaduais, especialmente as unidades prisionais e programa sociais do Estado, pelo Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA), no valor de R$ 10 milhões. A iniciativa faz parte do convênio nº 004/2014-Sesan, celebrado entre a União, via Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário (MDS) e a Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR).
A assinatura ainda contempla o fornecimento de alimentos para as 17 unidades prisionais dos municípios de Charqueadas, Osório, Montenegro e Porto Alegre, também efetuado pelo PAA. A estimativa é que as entregas dos mantimentos iniciem no próximo mês de setembro.

PROJETO DE LEI PIONEIRO NO ESTADO BUSCA ATENDER NECESSIDADES DOS ALUNOS SURDOS.

ALUNOS SURDOS

O Município de São Gabriel será pioneiro, no interior do Estado, em instituir políticas públicas que garantam acesso de pessoas surdas ao sistema municipal de educação. Um projeto de lei, de autoria do Vereador Vagner Aloy (Maninho), do PSDB, foi aprovado na Câmara de Vereadores e determina que a Secretaria de Educação do Município dê condições de acesso à comunicação, à informação e à educação nas atividades e modalidades de ensino.
De acordo com o vereador, hoje, a Rede Municipal não tem condições de oferecer um ensino de qualidade para o aluno com deficiência auditiva porque não tem um número de professores que seja “suficiente” para atender os alunos de forma integral e para que possam interagir com estudantes surdos.
A proposta dele é promover cursos de formação de professores para atuarem no ensino e uso da Língua Brasileira de Sinais (Llibras).
O projeto ainda estabelece, como obrigatória, a oferta do ensino de libras, desde a educação infantil, e, também da língua portuguesa como segundo língua para os alunos surdos.
Embora, hoje, a Rede Municipal tenha alunos surdos em salas de aula, segundo o vereador, eles ainda continuam excluídos das atividades, mesmo que de forma indireta, “pois os professores não estão preparados para interagir com estes estudantes. Como não ouvem e não falam, eles acabam excluídos das atividades e acabam não evoluindo. A diferença do aluno surdo para os outros (com outras deficiências), é que ele não consegue se expressar, falar, gritar ou pedir ajuda”, explica o vereador, ao justificar a importância do projeto.
A Secretaria Municipal de Educação (SEME) deverá garantir ainda atendimento as necessidades educacionais de alunos surdos, desde a educação infantil, nas salas de aula e, também, em salas de recursos, em turno contrário ao de escolarização.

ALUNOS DA ESCOLA MARIA MANOELA REALIZAM PROJETO QUE “ESTUDA” A HISTÓRIA DO ARROZ.

projeto educação 3
A Escola Maria Manoela da Cunha, na região de Azevedo Sodré, está realizando o Projeto Arroz: da lavoura à mesa, mobilizando estudantes do 3º e 4º anos. O projeto é desenvolvido pela docente Larissa Catarina Gräff. Na última sexta-feira (14/07), foi realizada mais uma etapa. O projeto será concluído em agosto com visitação a Urbano Agroindustrial.
O projeto foi lançado em abril deste ano e tem o objetivo de interagir com a agricultura, conhecer as etapas da plantação até chegar na mesa do gabrielense e valorizar a plantação no Azevedo Sodré.
Os alunos já trabalharam a lenda do arroz, fizeram pesquisas sobre plantação de arroz com seus familiares, usaram o arroz para fazer trabalhos artísticos entre outras atividades.
Na sexta-feira passada, os alunos entrevistaram o assentado Firmino Costa, de 63 anos, que apreendeu a plantar arroz com seu pai, em Camaquã, com 18 anos. Após várias perguntas e registros sobre este processo, os alunos saborearam arroz de leite e bolo de bergamota com farinha de arroz.
Segundo a Supervisora da escola, professora Vanderleia Machado, o arroz é um dos principais grãos produzidos no Estado e na cidade de São Gabriel, “sendo assim de grande valia o conhecimento da sua produção e armazenamento para as gerações vindouras”.
Segundo ela, o projeto é de suma importância para o conhecimento da trajetória do arroz, desde a lavoura até nossa mesa. “É gratificante ver o empenho dos alunos em cada etapa do projeto. Parabéns aos alunos e a professora Larissa Gräff pela iniciativa”.

EDUCAÇÃO INVESTIU MAIS DE R$ 20 MILHÕES NO PRIMEIRO SEMESTRE.

volta as aulas

A Rede Municipal de Ensino passou de 5.835 alunos em 2016 para 6.496 este ano. Um salto que traduz na prática o que vinha sendo preparado teoricamente antes mesmo de abrir o ano letivo. O Governo Municipal investiu R$ 20.500.000,00 no primeiro semestre e quem ganhou, com isso, foi o público estudantil, com instituições melhor preparadas para receber os estudantes e lhes oferecer ensino de qualidade.
O Prefeito Rossano Gonçalves destacou a abertura de escolas de educação infantil ainda em janeiro e a criação de 407 vagas também no começo do ano, mesmo sem construir novas escolas, apenas com gestão de pessoal e adequação. Hoje, a Secretaria Municipal de Educação comemora o fato de o Município ter déficit zero de vagas na educação infantil.
Nos primeiros seis meses, dentro dos 20.500.00,00 aplicados, foram reestruturadas escolas e aplicados recursos na compra de merenda escolar, combustível, pagamento do piso do magistério de forma integral, manutenção e recuperação da frota, remuneração de professores e melhorias de infraestrutura na rede de ensino.

A HISTÓRIA DE AZEVEDO SODRÉ É CONTADA EM WORKSHOP.

whatsapp-image-2017-06-28-at-22-13-00.jpeg
A Escola Municipal de Ensino Fundamental Maria Manoela da Cunha Teixeira, na região de Azevedo Sodré, foi o palco do Workshop “Varal de Lembranças do Azevedo Sodré”, organizado pela Professora Larissa Catarina Gräff de Mello. O evento aconteceu na primeira quinzena de junho.
Segundo ela, o objetivo da exposição foi aproximar os alunos da história do Azevedo Sodré. “Esta atividade é referente ao Projeto da Escola – Memórias do Azevedo Sodré. Descobrimos que no Azevedo Sodré já existiu Cartório, Correio, Sub-Prefeitura, Charqueada, Centro de Tradição Gaúcha -CTG, Estação Férrea, Escolas, Armazéns fortes e Posto da Brigada Militar”, comentou.
“A atividade foi um encontro entre o passado e o presente, onde os alunos estão construindo conhecimentos ao longo do Projeto sobre a história do Azevedo Sodré”, ressaltou Larissa.
Durante o Workshop, moradores mais antigos do distrito falaram sobre a região e responderam as perguntas. Hoje, a Presidente da Associação dos Moradores do Azevedo Sodré, Clair Horteman da Silva, está buscando recursos e parcerias para implantar melhorias na comunidade.
No final do Workshop, aconteceu uma confraternização. A Diretora da EMEF Maria Manoela, professora Cinara Moreira, avaliou o evento: “Foi de extrema importância esta atividade, pois foi apresentado relatos sobre a origem da localidade, contribuindo para que o Projeto da Escola: Memórias do Azevedo Sodré, que foi lançado em abril do corrente ano tenha sucesso”, argumentou.
Participaram do evento o Ex-Vereador do Município de São Gabriel, José Luzardo Mello da Silva; Coordenador das Escolas do Campo da Secretaria Municipal de Educação de São Gabriel, Eduardo Pastorio; a Presidente da Associação dos Moradores do Azevedo Sodré, Clair Horteman da Silva. pais, alunos, funcionários, professores e comunidade do Azevedo Sodré.

HELENIR É REELEITA PRESIDENTE DO CPERS E PEDRO DIRETOR DO 41º NÚCLEO.

CPERS 1

Helenir Aguiar Schürer é a presidente do Cpers

Venceu a situação na eleição do Centro dos Professores do Estado Rio Grande do Sul (Cpers/Sindicato), realizada na terça (27) e na quarta-feira (28): a atual presidente, Helenir Aguiar Schürer, da Chapa 2 — Cpers Unido e Forte, conquistou um mandato de mais três anos à frente da maior entidade sindical do sul do Brasil. Às 15h de sexta-feira (30/06), quando o total de urnas apuradas era de 92%, Helenir tinha 55% dos votos, contra 38% da segunda colocada, a ex-presidente Rejane Silva de Oliveira. Helenir venceu também em São Gabriel. Ela conquistou 178 votos contra 101 da Chapa 1.
Aos 63 anos, a canoense Helenir exibiu na campanha, como conquistas de seu primeiro período na presidência, as melhorias nas condições financeiras do sindicato, com acerto de dívidas e prestação de contas online, e ações na área pedagógica, como as mostras de trabalhos escolares.
Criticada por seus oponentes por manter uma postura “branda” em relação ao governo estadual, ela promete ser implacável com o Piratini. Para amenizar divergências dentro da entidade, Helenir, que já dirigiu um núcleo em Santana do Livramento e hoje vive em Porto Alegre, pretende ampliar as discussões com a base.
“Quero agradecer a nossa categoria. Essa vitória foi o resultado de um trabalho que a gente desenvolveu por três longos anos. Vamos continuar nessa construção de um sindicato respeitado, forte, que se aproxima cada vez mais da base, com uma discussão pedagógica, corporativa e de direitos dos trabalhadores”, disse a presidente reeleita.
Além de Rejane, que esteve à frente do sindicato por dois mandatos, de 2009 a 2014, e concorreu pela Chapa 1: A Categoria em Primeiro Lugar, Unida para Lutar – Oposição, Helenir disputou a eleição com Lucas Cortozi Berton, da Chapa 4: Construção pela Base – Por um Cpers Organizado pela Base e de Luta pelo Socialismo, e Tânia Mara Magalhães Freitas, da Chapa 5: Lutar Sempre.

pedro moreiraPEDRO REELEITO
O Professor da Escola Estadual XV de Novembro, Pedro Moacir Moreira, foi reeleito Diretor Geral do 41º Núcleo do Cpers. A chapa dele (única a concorrer) conquistou 286 votos de um total de 303 votantes para a eleição do núcleo, que abrange os municípios de São Gabriel, Santa Margarida do Sul e Vila Nova do Sul.

CHAPA VENCEDORA – Diretor Geral, Pedro Moacir Moreira, da Escola XV de Novembro; Vice-Diretor, Jean Carlo dos Santos, Escola João Pedro Nunes; Secretário, André Moreira Chagas, Escola Marques Luz; Tesoureira, Daniela Manssur Falcão, aposentada; Diretor, Jorge Vanderlei da Silva, Escola Ataliba das Chagas; Diretora, Leci Teresinha Soares, aposentada; Diretor, Luis Francisco Meneghello, aposentado; Diretora, Iara Teresinha Prado, Escola Fernando Abbott; Diretora, Ana Cláudia Gomes, Escola Menna Barreto.

“CURTO CIRCUITO” CAUSA INCÊNDIO EM ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE SÃO GABRIEL.

brecho 1

Um incêndio, causado por um curto circuito na rede elétrica, queimou toda a cozinha do anexo da Escola de Educação Infantil Nossa Senhora Menina. A escolinha funciona na Rua General Mallet desde o mês passado e já tinha sido transferida por causa de problemas estruturais na antiga sede, que passa por reformas.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o fogo começou entre a noite de segunda-feira (26/06) e a madrugada de terça-feira (27/06) e só não se alastrou pelas demais dependências da Escola por causa da estrutura de concreto e laje que impediu e porque a porta estava fechada.

Ainda, conforme a Unidade, o fogo acabou se extinguindo sozinho. Pela manhã, quando os funcionários chegaram, viram apenas a fumaça. “Uma funcionária ligou para nós (Corpo de Bombeiros) e informou a situação. Por telefone, orientamos ela a manter a porta fechada e aguardar a chegada viatura”, explicou o bombeiro.

A Secretaria Municipal de Educação (SEME) já providenciou os reparos e, conforme o Secretário Sildo Cabreira, a situação deverá estar resolvida até o final desta quarta-feira, com as aulas retornando a normalidade na quinta-feira (29/06).

“Até quarta-feira será feita a substituição de toda a rede elétrica. Vamos colocar toda a fiação nova”, explicou.

O Secretário ainda informou que está sendo providenciado o Plano de Prevenção e Combate a Incêndio (PPCI). Segundo ele, a SEME já solicitou a elaboração do plano, mas o processo ainda está tramitando. Hoje, a Escola tem o básico necessário, como placas de sinalização de entrada e saída, assim como extintores. A elaboração do PPCI ainda está dentro do prazo legal estabelecido por lei.

O Corpo de Bombeiros deverá fazer uma vistoria assim que a SEME apresentar um laudo elétrico da reforma que está sendo feito e, após isso, a Escola estará apta para receber os alunos.

MATERNAL 3 – Cerca de 22 alunos do Maternal 3 (turno integral) voltarão as aulas também na quinta-feira, mas na sede da Escola, na Rua Duque de Caxias. A transferência acontecerá somente no período em que a cozinha do anexo da General Mallet permanecer em reforma. “Como se trata de turno integral e eles precisam de alimentação e, como são muitas refeições, eles terão que ficar na sede da escola. Logo que a cozinha estiver pronta, eles retornarão e passarão a ser atendidos, novamente, no anexo”, explicou a Vice-Diretora, Renata Ávila.

ERRATA: Na matéria original, publicamos que o Secretário havia mencionado que a fiação elétrica da casa era muito antiga. Foi um erro de interpretação. Na verdade, o Secretário se referiu a casa como antiga.

  • OUÇA A RÁDIO CULTURA