CONCURSO ELEGERÁ SLOGAN E LOGOMARCA DA CAMPANHA DO AGASALHO 2016.

O slogan e a logomarca da Campanha do Agasalho 2016 serão divulgados durante a solenidade de abertura do evento, na Praça Dr. Fernando Abbott, no dia 4 de junho. Os símbolos da campanha serão escolhidos através de um concurso entre alunos das escolas da Rede Municipal de Ensino, mobilizando as instituições e incentivando os estudantes a participarem do processo de recolhimento e doação de agasalhos.
No ano passado, os alunos Eduardo Langendorf, da Turma 81 da Escola João Goulart, responsável pelo desenho que originou a logomarca e Ana Laura, do 6º ano da Escola Ferraz Neto, que elaborou o slogan, foram os vencedores.
O concurso, nas escolas municipais, encerrou no dia 18 de maio envolvendo alunos do 5º ao 9º ano.
Uma gincana estudantil, no dia 4, marca o lançamento da Campanha do Agasalho com a apresentação dos números oficiais já obtidos nas escolas. No mesmo dia, as Secretarias de Desenvolvimento Social e de Educação escolhem a Rainha da Campanha do Agasalho 2016. A aluna Vitória Nasiniak Domingues, da Escola Municipal Ferraz Neto, passará a faixa para a vencedora.
A meta da Campanha do Agasalho 2016 é arrecadar cerca de 30 mil peças este ano. Para alcançar o objetivo, a Secretaria de Desenvolvimento Social está convidado o Exército Brasileiro, Brigada Militar, Polícia Civil, Movimento Comunitário, Movimento Tradicionalista e clubes de serviços para participarem das ações.

TRABALHOS DESENVOLVIDOS NA ÁREA DE SAÚDE DE SÃO GABRIEL SERÃO DESTAQUE EM CONGRESSO NACIONAL EM FORTALEZA.

Concgresso 2
O Conselho das Secretarias Municipais de Saúde (COSEMS-RS) confirmou a inclusão do Projeto Clínica de Dor entre os selecionados para participar da Mostra “Brasil Aqui tem SUS 2016”. O evento será realizado entre os dias 1º e 4 de julho, em Fortaleza, como parte integrante do Congresso Nacional de Secretarias da Saúde. Conforme o COSEMS-RS, foram cadastrados 38 trabalhos, sendo selecionados 21 projetos de 11 dos 17 municípios inscritos.
A Secretaria da Saúde de São Gabriel vai apresentar na Mostra dois projetos selecionados. São eles: Microfisioterapia e Constelações Familiares na Atenção Básica e Práticas Integrativas Complementares na Atenção Básica.
Conforme o secretário municipal da Saúde, Daniel Ferrony, os projetos são desenvolvidos na Clínica de Dor, localizada nas dependências da Policlínica Brandão Júnior. “O público alvo é formado por usuários com dor crônica encaminhados das Unidades Básicas de Saúde. O usuário ao chegar à Clínica é avaliado por um médico acupunturista que constrói uma linha de cuidados. Os atendimentos de Acupuntura são realizados por um médico e uma acupunturista. Auriculoterapia é realizada por uma fisioterapeuta especializada na área”, explica.
Outro projeto é o de Microfisioterapia e as Constelações Familiares, que também realizado na Clinica de Dor por um fisioterapeuta. O paciente tem ainda acesso a aulas de yoga e danças circulares que são ministradas na Academia da Saúde e complementam essa linha de cuidados. “Ambas são realizadas por uma educadora física contratada e com formação na área”, argumenta o secretário.
A Clínica de Dor foi inaugurada no dia 30 de agosto de 2013 e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h 30min às 17h 30min. Academia da Saúde está localizada na Praça Camilo Mércio em frente à Unidade Básica de Saúde ESF (Posto de Atendimento Médico), onde são realizadas as práticas de yoga e danças circulares. Ela foi inaugurada em dezembro de 2015 e desde então tem atividades de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h, e das 13h 30min às 17h 30min.
Os responsáveis pela apresentação dos trabalhos no Congresso serão o secretário municipal da saúde Daniel Ferrony; a Coordenadora de Projetos, Gisele Cunha; os Fisioterapeutas Paula Marise dos Reis e Fábio Baldaço; e a Educadora Física, Ariane Dinis.

segurança20162

SAÚDE DO TRABALHADOR NOS ENGENHOS DE ARROZ DE SÃO GABRIEL ESTÁ SENDO DEBATIDA EM ALEGRETE.

O seminário “Saúde do trabalhador nas Arrozeiras” será realizado no dia de hoje (19/05), a partir das 9h, na Sociedade Italiana de Alegrete, localizada na rua Gaspar Martins, 275, Centro. Na oportunidade, será apresentado o relatório da pesquisa “Diagnóstico sobre as Condições de Trabalho nos Engenhos de Arroz do RS – DIGA”. A investigação ocorreu nas indústrias de Alegrete, São Gabriel e Dom Pedrito. A promoção é do Ministério Público do Trabalho (MPT), Confederação Nacional dos Trabalhadores da Alimentação e Afins (CNTA Afins), Sindicatos dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Alegrete, de São Gabriel e de Dom Pedrito, e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs). Mais informações pelo telefone (51) 3276-9811. Em 14 de abril, evento semelhante já havia sido realizado em Pelotas, envolvendo ainda Camaquã e Bagé.
O relatório indicará, por exemplo, quais as principais doenças dos trabalhadores do setor do arroz no Rio Grande do Sul. A pesquisa foi elaborada, em parceria, pela CNTA, Sindicatos e Ufrgs. O objetivo é debater e sugerir soluções com todos os segmentos envolvidos e preocupados com a saúde do trabalhador, como Ministério do Trabalho e Previdência Social, Câmaras Municipais, Prefeituras e Conselhos Municipais de Saúde. A partir de questionários, foi possível elaborar diagnóstico e construir banco de dados sobre as condições concretas de trabalho e de vida dos trabalhadores. O setor do arroz foi escolhido por apresentar maior número de acidentes com mortes em relação aos outros segmentos da alimentação. Além disso, os funcionários das arrozeiras são os que mais procuram os Sindicatos com doenças ocupacionais como Lesão por Esforço Repetitivo (LER) e surdez.

Programação
9h: Abertura
– Diretor da CNTA, Darci Pires da Rocha;
– Presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Alegrete, Marcos Rosse;
– Presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Dom Pedrito, Ever Lima da Rosa;
– Presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de São Gabriel, Gaspar Silveira Neves;
– Procurador do Trabalho Eduardo Trajano Cesar dos Santos, representando o MTP em Uruguaiana e em Santa Maria;
– Procurador do Trabalho Ricardo Garcia, coordenador de Defesa do Meio do Trabalho do MPT-RS;
– Ortopedista, traumatologista e coordenador do Centro Regional de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest) Oeste, Clímaco Gomes Carneiro;

9h40min: Apresentação do Projeto DIGA – Diagnóstico sobre Condições de Trabalho nos Engenhos de Arroz
Moderador: especialista em Segurança do Trabalho do Sindicato da Alimentação, Jaqueson Leite de Souza;
Apresentador: professor, sociólogo e pesquisador da Ufrgs, Paulo Albuquerque;

10h20min: Pausa para o café

10h45min: Mesa de Trabalho
– Procurador do Trabalho Eduardo Trajano Cesar dos Santos;
– Procurador do Trabalho Ricardo Garcia;
– Fisioterapeuta do Trabalho e especialista em ergonomia da CNTA, Carine Taís Guagnini Benedet;
– Chefe da fiscalização do Ministério do Trabalho e Previdência Social, auditor-fiscal Vitor Ferreira;
– Fisioterapeuta do Cerest Oeste, Paula Lamb Quilião;
– Ortopedista, traumatologista e coordenador do Cerest Oeste, Clímaco Gomes Carneiro;

14h Debates e encaminhamentos

UNIPAMPA DIVULGA NOTA DE REPÚDIO AOS CORTES ORÇAMENTÁRIOS.

Em Nota Pública divulgada nesta quarta-feira (18/05), a Universidade Federal do Pampa (Unipampa) manifesta o seu repúdio aos cortes orçamentários impostos pelo Governo Federal. Por meio do documento, a Universidade declara o seu apoio ao movimento da comunidade acadêmica em defesa da educação pública, gratuita e de qualidade.
Também na tarde desta quarta-feira, a sede da universidade em São Gabriel foi ocupada por um grupo de estudantes que protesta contra os cortes implantados pelo governo federal. Os acadêmicos ficaram no prédio da Unipampa até sexta-feira.

Leia a íntegra do documento:

nota unipampa

ELEIÇÃO SERÁ BIOMÉTRICA EM 326 CIDADES DO RIO GRANDE DO SUL.

A eleição deste ano terá identificação biométrica em 326 municípios do Rio Grande do Sul. Os eleitores destas cidades que não participaram do recadastramento eleitoral estão com os títulos cancelados e não conseguirão votar, tampouco justificar a ausência. Segundo o presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Luiz Felipe Brasil Santos, o período de revisão foi concluído para a eleição de outubro e atingiu a meta de 80% dos eleitores em todas as zonas eleitorais abrangidas. As informações são do jornal Diário de Santa Maria.
Porto Alegre, contudo, ficou de fora desta etapa. A expectativa é de que somente na eleição de 2018 os cerca de 1 milhão de eleitores da Capital irão votar pelo novo sistema. Além de Porto Alegre, outros 10 municípios seguirão de fora do cadastro biométrico, totalizando 1,7 milhão de eleitores. As demais 160 cidades terão eleição híbrida, com identificação biométrica e documental do eleitorado.
“Não conseguimos realizar uma revisão geral em 27 municípios. Nestes casos, coube aos juízes escolher se a votação seria mista ou biométrica. E 11 delas resolveram manter o sistema antigo, incluindo Porto Alegre”, disse Brasil Santos.

Justiça vê dificuldades em coibir caixa 2

O presidente do Tribunal também manifestou preocupação com o uso de caixa 2 nas eleições deste ano. Brasil Santos afirmou que a proibição das doações de empresas tornou mais difícil a fiscalização do ingresso de recursos clandestinos nas campanhas eleitorais. Para o magistrado, as denúncias de eleitores e de eventuais adversários políticos serão a principal ferramenta da Justiça Eleitoral na investigações.
“Que vai ter caixa 2, é praticamente certo. Os nossos sistemas de controle não são satisfatórios”, admite o presidente.
Brasil Santos salientou que, até então, 95% das campanhas eleitorais eram financiadas por pessoas jurídicas. Como essa será a primeira eleição com financiamento exclusivo de pessoas físicas, ele teme o uso de laranjas por parte de partidos e candidatos para disfarçar a origem das doações.
“A Justiça Eleitoral não é órgão de investigação, é um órgão de julgamento e que faz análise contábil. Não temos como ir atrás para ver se cada recibo é verdadeiro. Os juízes eleitorais serão a nossa infantaria, mas a investigação cabe ao Ministério Público”, afirmou.
Para tentar coibir eventuais fraudes, o TRE aposta no convênio com a Receita Federal. Como as doações de pessoas físicas estão limitadas a 10% da renda declarada pelo doador no ano anterior, a Justiça Eleitoral irá fazer um cruzamento de dados para verificar se o valor entregue a determinada candidatura é compatível com a renda do contribuinte e com o limite estabelecido por lei.

ESTUDANTES DA UNIPAMPA OCUPAM PRÉDIO DA UNIVERSIDADE.

unipampa 3

Cerca de 20 alunos da Universidade Federal do Pampa (Unipampa) ocuparam a sede da universidade em São Gabriel. A ocupação iniciou na tarde desta quanta-feira (18/05). De acordo com os organizadores do movimento, a mobilização deverá permanecer até sexta-feira, com os estudantes pernoitando no prédio e realizando atividades na área do Campus, em escolas da cidade e na Praça Dr. Fernando Abbott. A estimativa é de que cerca de 200 acadêmicos se integrem ao movimento.
De acordo com a acadêmica do Curso de Biotecnologia, Barbara Ogata, os alunos são contra os cortes na educação pública estabelecidos pelo governo federal. “Nossa prioridade é tentar evitar o corte de 50% dos trabalhadores terceirizados da Unipampa. Porém nosso movimento não abrange só isso. Com esses cortes não teremos dinheiro, de agosto em diante, para as necessidades mais básicas, como água e luz do campus”, comenta a estudante.
O corte inicial no orçamento era de 50%, após reunião na tarde de sexta-feira (13/05), na sede da universidade em Bagé, a situação foi reavaliada e passou a ser de 44%.
Segundo os alunos, hoje o Campus de São Gabriel possui 31 funcionários terceirizados e mais 9 que trabalham no restaurante. Pelo menos 20 deles serão exonerados dos cargos a partir de julho.
“A UNIPAMPA vem sofrendo com grandes cortes que estão acarretando na demissão de cerca de 50% dos funcionários terceirizados dos 10 campi das 10 cidades onde estão localizadas. Caso esses cortes não sejam sanados, corre o risco de ainda mais terceirizados serem demitidos e consequentemente mais desempregados nas cidades onde a UNIPAMPA se localiza”, comentou o acadêmico Gilberto de Carvalho, um dos organizadores do Movimento em Bagé.
unipampa 2A decisão de paralisar tudo aconteceu em assembleia. Na terça-feira (17/05), os docentes da UNIPAMPA deliberaram em assembleia pela paralisação de três dias, de forma a engrossar o caldo da mobilização unificando estudante, funcionário e professor.
Em Jaguarão, logo no primeiro dia o movimento organizou uma plenária intersetorial com estudantes, terceirizados, técnicos e professores para organizar os rumos do movimento. Ao mesmo tempo em que a reitoria deliberava acerca dos cortes na universidade nesse primeiro dia de ocupação, cortaram a internet do campus Jaguarão como forma de repressão. Mas a resistência foi maior.
Uma série de atividades vem sendo feitas dentro da ocupação, como debates públicos sobre a situação da universidade, da educação pública em geral, da política hoje em dia, oficinas de dança contemporânea, roda de conversa sobre sexualidade e homofobia, plenária com secundaristas em luta. Ou seja, trata-se de uma ocupação que vai para além da pressão contra os cortes, e sim um espaço de experiência de organização política e social.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.676 outros seguidores