ASSOCIAÇÃO DE ÁRBITROS CHAMA PALMEIRAS E BRIGADA MILITAR DE OMISSOS.

brigada 2

A direção do Palmeiras divulgou uma nota de repúdio contra a Associação Gaúcha de Árbitros de Futebol (AGAFUSA) na tarde de terça-feira (25/07). O manifesto é uma resposta ao relato divulgado pela entidade, onde os representantes da equipe gabrielense são acusados de omissos e os seus torcedores de violentos. No mesmo relato, a AGAFUSA chama o policiamento (que foi feito pela Brigada Militar) de omisso.
Segundo a direção do Palmeiras, a manifestação é considerada ofensiva e mentirosa. Conforme o clube, em 16 jogos, em nenhum momento foram registradas alterações que denegrisse a imagem da equipe, torcedores, dirigentes ou da cidade.
Na mesma nota, o Palmeiras explica que, em dois anos, quando saiu de São Gabriel, a equipe foi extremamente prejudicada com agressões físicas e verbais, sem que jamais fosse a Federação criticar, reclamar ou denegrir a imagem da AGAFUSA, “por entender que errar é humano e faz parte do jogo, não discriminando ou desonrando a imagem de qualquer árbitro ou integrante da mesma”.
O Palmeiras ainda alega que, em São Gabriel, a equipe foi várias vezes prejudicada em suas partidas, “com erros primários, inclusive publicados em redes sociais e isto jamais nos fez praticar atos de vandalismo contra quem quer que seja. A Agafusa erra de forma imperdoável ao criticar nossa Direção e a Brigada Militar de São Gabriel ao nos taxar de omissos, pois o carro danificado foi a 50 metros do Ginásio por pessoas não identificadas e o Presidente do Palmeiras esteve junto a Brigada Militar de São Gabriel oferecendo suporte ao proprietário do veiculo, enquanto esteve próximo as cercanias do Ginásio”.
O lance que causou toda a polêmica foi causado por erro da arbitragem no jogo Palmeiras e São José, no sábado passado. O time gabrielense perdeu por 7 a 6. Um dos árbitros do jogo acabou assinalando penalidade contra o Palmeiras quando o goleiro alviverde estava com a bola dominada e tentava se livrar da marcação do pivô do São José. O erro dele acabou decidido o resultado do jogo.
Parte da torcida se revoltou com a decisão, criticou e fez ameaças. Mas reportagem constatou que não houve violência dentro do Ginásio Plácido de Castro.
O Policiamento – feito pela Brigada Militar – agiu rapidamente e permaneceu ao lado da quadra enquanto os ânimos ainda estavam alterados. Depois de controlada a situação, PMs continuaram no local até o final do jogo.
O Palmeiras volta a jogar no final de semana, novamente em casa, contra o União Independente. Na sequência enfrenta a SERADE, em São Borja, e encerra a fase de classificação jogando no Ginásio Plácido de Castro contra a ACF.
“Seguiremos firmes acreditando que o futsal se define dentro das quatro linhas e, aos nossos torcedores, simpatizantes, nossa valorosa Brigada Militar e a toda comunidade gabrielense fica o nosso apoio e a certeza de que somos sim movidos pelo esporte e merecemos mais respeito”, finalizou a direção do Palmeiras, em nota.

CONFIRA A NOTA DA AGAFUSA

NOTA DA AGAFUSA CONTRA O PALMEIRAS SÃO GABRIEL E CONTRA A BRIGADA MILITAR .

 

“Mais uma vez somos obrigados a ir a público mostrar nossa indignação contra aqueles que usam da violência e desrespeito aos nossos árbitros. No último sábado, dia 22, torcedores do Palmeiras de São Gabriel, arrancaram as placas e tiraram dois pneus do carro da equipe de arbitragem.
Parece que infelizmente algumas cidades não tem a mínima condição de estarem presentes no nosso esporte. Atitudes como essas só mostram a mentalidade atrasada e criminosa de quem as cometeu.
Lembramos que a agremiação de São Gabriel, que disputa o Estadual Série Bronze, sempre preocupada com a segurança de seus jogadores quando joga em outra cidade, em casa se mostrou totalmente omissa diante da selvageria cometida por alguns dos seus torcedores.
Lembramos também que a equipe que sedia a partida, é responsável pela segurança da equipe adversária e da equipe de arbitragem, e tudo que acontece dentro do seu ginásio ou nas cercanias, é de responsabilidade sua.
Brigada Militar e dirigentes omissos diante da situação que nossos árbitros enfrentaram. Os árbitros Emerson Coelho, José Quadros Souza, Jober Fernandes e Everton Lopes, terão todo a atenção e apoio para que os responsáveis sejam punidos pela equipe de São Gabriel, que infelizmente, mostrou não ter o mínimo de civilidade e respeito com quem entra em quadra apenas para apitar um jogo de futsal.
A AGAFUSA estará atenta ao desenrolar desse ato criminoso cometido contra nossos colegas.

Anúncios

  • Veja A Notícia OnLine no FACEBOOK