UTI PEDIÁTRICA NÃO FUNCIONA PORQUE FALTA CREDENCIAMENTO E RECURSOS.

uti-neonatal

Falta dinheiro para colocar em funcionamento a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Pediátrica do Hospital de Santa Casa de Caridade. Apesar de ter sido inaugurada em 2006, a Unidade nunca funcionou e, até mesmo os equipamentos comprados na época, continuam sem uso guardados nas dependências da área onde seria a UTI. Apenas uma pequena parte deste material é utilizada em outras unidades do Hospital.
O provedor da Santa Casa de Caridade, advogado Marcos Goes, disse que, para tornar a UTI funcional, será necessário o aporte de recursos públicos. No entanto, o serviço ainda não está credenciado ao Ministério da Saúde e, por isso, fica impedido de receber verbas federais. Na prática, do jeito que está, não teria como atender a população assistida pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Hoje, mais de 75% do público atendido pelo Hospital é beneficiário do SUS.
A única notícia boa em meio a tantas incertezas, é que a Prefeitura Municipal de São Gabriel demonstrou interesse em contratar os serviços da UTI Pediátrica. O Secretário da Saúde, Ricardo Coirolo, admitiu que o Município tem condições de repassar recursos para instituição através de um convênio que já existe com o Hospital.
O obstáculo, mais uma vez, é o credenciamento. “O Município tem condições de ajudar, mas não pode porque a UTI Pediátrica não é credenciada… Essa verba seria repassada dentro de um convênio que já existe com a Santa Casa”, explicou o Secretário.
Já a Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), ligada a Secretaria Estadual da Saúde, informa que o Ministério da Saúde exige que a instituição tenha área física, equipamentos e pessoal para autorizar o credenciamento do serviço.
São Gabriel atenderia todas as exigências, se não fosse a falta de equipe profissional para atuar na Unidade.
Mas o que vem primeiro: o ovo ou a galinha?
A CRS alega que a Santa Casa de Caridade precisa contratar uma equipe profissional, para depois autorizar o seu credenciamento. A Provedoria informa que, sem recursos, não tem como contratar uma equipe profissional.
Conforme a Provedoria, para tornar a UTI Pediátrica funcional seria necessária a contratação de médicos (intensivista, cardiologista e clínico geral), além de um enfermeiro intensivista, técnico de enfermagem e uma equipe completa de enfermagem. Segundo levantamento da Provedoria, seriam necessários 32 funcionários novos.
Para se ter ideia, conforme o último levantamento, um intensivista custaria R$ 280, por hora, para a Santa Casa de Caridade. O Hospital não dispõe destes recursos.
Com tudo isso, quem sofre são os gabrielenses.
A comerciária Viviane Lara perdeu o filho Lorenzo em 2010. O menino morreu devido a problemas respiratórios, mas ela acredita que a história poderia ser diferente. Na época, ela não conseguia vaga nos hospitais da região e quando conseguia, era uma correria.
“A gente corre riscos. Tem que esperar. Tu estás vendo que o teu filho precisa de ajuda e não tem o que fazer. Só tem que esperar… Pedir. Corre atrás”, comentou.
Ela demonstra indignação com a situação: “O tratamento do Lorenzo teria sido feito em São Gabriel. Não haveria necessidade de correr para outra cidade e esperar. É uma espera angustiante. Tu estás vendo que o teu filho está morrendo e tem que esperar”.
A UTI Pediátrica tem 400 metros quadrados e mesmo atendendo a todas as especificações da Agência Nacional Vigilância Sanitária (ANVISA), está fechada. A Santa Casa de Caridade investiu R$ 500 mil na construção da Unidade e aquisição de equipamentos, como incubadoras e ventiladores pulmonares, parados há mais de 10 anos. O setor possui 10 leitos.
Se estivesse funcionando, a UTI atenderia bebês a partir de 28 dias de vida.

ENTENDA
O Provedor disse que, com os últimos acontecimentos, a população acabou confundindo as especializações e alegando a UTI Pediátrica a função de “Neo Natal”.
Segundo ele, mesmo com a UTI Pediátrica funcionando, todas as crianças recém-nascidas seriam encaminhadas para fora do Município. Hoje, a cidade mais próxima com UTI Neonatal credenciada é a de Santa Maria. Para lá, são encaminhadas crianças com até 28 dias de vida.
Depois disso (após 28 dias), aí sim, as crianças são internadas numa UTI Pediátrica.

Anúncios