SAÚDE REALIZA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A FEBRE AMARELA NO INTERIOR DE SÃO GABRIEL.

febre-amarela

A Secretaria Municipal da Saúde realiza nos dias 14, 16, 21 e 23 de fevereiro uma grande mobilização no interior de São Gabriel visando a vacinação contra a febre amarela. Serão imunizados os moradores de assentamentos da Reforma Agrária. De acordo com as Coordenadoras do Programa de Imunização Epidemiológica e de Vigilância, enfermeiras Maria da Graça Barros e Maria Edite Antoniazzi, o trabalho será desenvolvido por Equipes de Estratégia Saúde da Família (ESF 04 e 17).
Na próxima terça-feira (14/02), as equipes estarão nos Assentamentos Conquista do Caiboaté 1, 2 e 3. Na quinta-feira (16/02), será a vez da comunidade de Vista Alegre. Na semana seguinte, serão imunizados os moradores dos Assentamentos União pela Terra e Cristo Rei, no dia 21, e Itaguaçu, Novo Rumo e Zambezi, no dia 23.
A Secretaria Municipal da Saúde alerta para a importância da presença de todos os moradores portando as carteiras de vacinação e de identidade.
Ainda, segundo a Secretaria, não há casos da doença no Estado e só devem se vacinar pessoas que tenham passado por avaliação e possuam indicação para receber a dose, assim como as pessoas que estão com viagem agendada para locais com casos da doença. No caso de São Gabriel, estão sendo imunizadas as pessoas do interior, onde há assentamentos, porque – muitos – ainda se caracterizam como um público itinerante e podem ter saído ou entrado no Estado neste período.
O fato de São Gabriel ter – na sua fauna – muitos macacos, chamados de “Bugios”, também é uma das razões da campanha de vacinação na zona rural.
Mas existem uma campanha para tirar do macaco essa “sina”. Em virtude dos recentes ataques a bugios, possivelmente em função do medo da febre amarela, a Secretaria Estadual da Saúde esclarece que o animal não é responsável pela transmissão da doença. Pelo contrário, os primatas ajudam a detectar a circulação do vírus. Todas as espécies de macacos são “sentinelas”, ou seja, a mortalidade destes animais pode indicar a presença do vírus em determinada região, agilizando a vacinação das pessoas antes da contaminação por humanos.
A secretaria alerta que a preservação dos macacos é muito importante para a saúde pública e orienta a população que notifique Secretaria de Saúde municipal sempre que encontrar esses animais mortos, para que se investigue a causa dos óbitos.
O vírus da febre amarela é transmitido por mosquitos. No Rio Grande do Sul, a transmissão é feita pelo mosquito Haemagogus leucocelaenus, espécie nativa, amplamente distribuída em ambientes silvestres. No Brasil, os casos são classificados como silvestres ou urbanos, sendo que o vírus transmitido é o mesmo.
No dia 13 de janeiro, o Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) emitiu um alerta epidemiológico de atualização sobre a febre amarela, com recomendações aos municípios gaúchos sobre o controle da presença do vírus e a atualização vacinal da população. A imunização contra a doença integra o Calendário Nacional de Vacinação do Sistema Único de Saúde e está disponível nas Unidades Básicas de Saúde.
A vacina contra a febre amarela não está isenta de provocar efeitos colaterais e, por isso, deve ser aplicada com cautela, após a devida avaliação do paciente e apenas nos casos indicados.
No interior de São Gabriel serão vacinados as crianças a partir de 9 meses, adultos e pessoas acima de 60 anos. Estas últimas, que nunca foram vacinadas ou sem comprovante de vacinação, terão que apresentar uma avaliação médica.
A vacina também não é indicada para gestantes e mulheres que estejam amamentando crianças menores de 6 meses.

SURTO – No último surto da doença que ocorreu nos anos de 2008 e 2009 no Rio Grande do Sul, pessoas acabaram agredindo os primatas por acharem que transmitiam a doença. Tais atitudes acabaram gerando um desequilíbrio ecológico. Após os ataques ocorridos neste ano de 2017, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente levou ao Zoológico de Gramado dois macacos debilitados.
Perseguir, maltratar e/ou apreender a fauna silvestre configura crime ambiental de acordo com a Lei Federal de Crimes contra o Meio Ambiente 9.605/98. Para mais informações, contatar a Equipe de Fauna Silvestre de Porto Alegre pelo telefone (51) 3289-7517.

Anúncios

  • OUÇA A RÁDIO CULTURA