DR. GERSON BARRETO DE OLIVEIRA: “SOBREVIVE AQUELE QUE ESTÁ MELHOR CAPACITADO”.

DR. GERSON

IDr. Gerson Barreto de Oliveira – Médico Nefrologista da Santa Casa de São Gabriel CREMERS 18299 – RQE 11776

A frase acima não é minha, nem é deste século, nem do anterior, é de um grego que viveu 600 anos antes de Cristo. Vamos lá, são 2617 anos de uma dedução própria a um sábio, um dos Sete Grandes da Grécia, Tales de Mileto. Lembrei do nome dele porque estudávamos os triângulos nas aulas de matemática, pelos idos da sétima série do I Grau. Todas as deduções que estes homens chegaram com recursos básicos são ainda hoje atuais.
Mas com a internet a gurizada anda dizendo que não. Que as aulas estão defasadas, que os professores são péssimos, que o ensino é uma droga. Alguém já se perguntou o que fazer para substituir o que está aí?
Torço muito pelos filhos dos amigos que vão adiante, se aprimoram nos estudos e conquistam seu espaço no mundo, uma forma antecipada do que me aguarda com a dupla que tenho em casa. Pois o dia de sair para estudar fora bateu na minha porta.
E qualquer pai deve pensar em que mundo os seus filhos estão encontrando, porque está brabo este mundão em mutação constante. Como melhorar?
E se cada um cobrasse os estudos dos filhos, impusesse o limite para as brincadeiras pelo celular e jogos da internet, incentivasse à leitura e ao esporte.
E fosse ao professor para dizer que ele é um herói em se dedicar ao ensino, e não para reclamar. Pegar e ir na direção da escola para tentar uma solução de subir um degrau no ensino. E caso seja uma escola privada, exigir que se o estudo é pago o professor tem que ser bem pago.
O educador deve dar sua contrapartida, com a dedicação e aprimoramento do seu conhecimento, só assim poderá repassar uma linguagem dita atual aos alunos.
Ao término do seu nono ano perguntei à minha filha se ela tinha uma professora que a marcara, que fazia com que sentisse pena de deixar o colégio onde sempre estudou. Sim ela tinha, me contou que a professora de geografia era tudo de bom, que fazia com que o colégio valesse à pena, lindo. Uma professora transmitir isso à uma aluna é sinal que há muita gente boa, e como pai só tenho que cumprimentar essa mestra, olhem bem, mestra!
Mestre é adiante do professor, poucos sobrevivem nesses mares agitados de hoje em dia, é aquele que estende a mão e convida o aluno a ir adiante, rasga a máscara de ignorância, transmite valores, e faz com que o jovem abra os braços ao conhecimento, retendo-o como ganchos.
Eu tive uma mestra também, quanta saudade. Veio à falecer com quase um século, dona de uma personalidade forte, tinha uma mente caleidoscópica para tudo, “dibina“, como falava no seu sotaque de um portunhol único.
E a nossa rede pública de ensino? Bom, está dando todos os sinais de esgotamento, é de chorar de desilusão ver o contracheque dos professores à conta gotas. Não se chega nunca à equação que professor bem pago, aluno satisfeito é pelo menos mais da metade da solução dos nossos problemas como nação, caso isso não mude nada nos restará.
Muito tem se falado das inúmeras incoerências da saúde no Brasil e do ensino médico, não dá para fechar os olhos. Mas o que fazer para mudar isso, a não ser o intenso incentivo ao estudo médico e investimento na formação dessa meninada linda ,que sai de uma faculdade com um canudo na mão, cheios de sonhos.
Eles vão encontrar, como primeiro emprego, um pronto socorro abarrotado, cheios de pacientes com doença, dor e desesperança. Novos hospitais não são construídos. Pense! Você apoiou a ideia da Copa do Mundo? Olhem o que deu a construção dos estádios superfaturados. Quanto de escolas, hospitais, e bons salários foram pulverizados em obras desnecessárias.
Está na hora de exigir, de usar a nossa reponsabilidade como cidadão e fazer um futuro para os nossos filhos sejam capacitados, e se sobressaiam neste mundo caótico.
Feliz 2017, não dá para se desesperar, vamos seguir em frente.

Anúncios

  • OUÇA A RÁDIO CULTURA