VAI ACONTECER OU NÃO? SETUR E LIGA DECIDEM O FUTURO DO CARNAVAL DE RUA NA PRÓXIMA SEGUNDA-FEIRA.

carnaval

A crise financeira que atinge a maioria dos municípios brasileiros poderá ser decisiva para a confirmação, ou não, do Carnaval de Rua de São Gabriel. O prefeito Rossano Dotto Gonçalves (PDT) divulga na manhã desta quinta-feira (12/01), em reunião com a imprensa da cidade, um diagnóstico da situação estrutural e econômica da Prefeitura Municipal.
Feito durante os primeiros dias de Governo, o relatório deverá servir de justificativa para algumas decisões que poderão ser anunciadas nas próximas semanas. Entre elas, está a realização do concurso de Carnaval de Rua e destinação de recursos para a Liga Carnavalesca de São Gabriel.
Uma reunião, na próxima segunda-feira (16/01), às 11 horas, envolvendo integrantes da Liga e da Secretaria Municipal de Turismo deverá colocar em discussão os dois lados da moeda – as dificuldades em realizar o evento e os reflexos da realização. A Secretária de Turismo, Juliana Medeiros, garante que não há nada confirmado e que o objetivo da Administração Municipal é avaliar todas as possibilidades e, depois de dialogar com os carnavalescos, anunciar uma decisão final.
O Carnaval está previsto para os dias 25,26,27 e 28 de fevereiro, na Avenida General Mallet, passando pela Praça Dr. Fernando Abbott. Se o evento for confirmado, o prazo para a organização – apesar de pequeno – não será problema para a SETUR, admite a Secretária de Turismo.
Na região, o primeiro município a confirmar a possibilidade de cancelamento do evento é o de Santa Maria. A redução nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e do ICMS cancelou o Carnaval em mais de 90 cidades gaúchas, conforme a Federação das Associações de Municípios (Famurs), somente no ano passado. No maior município da Região Central, a folia corre o risco de não sair pelo segundo ano consecutivo.
Em 2016, o então prefeito Cezar Schirmer (PMDB) cancelou a festividade justificando o risco de comprometer áreas essenciais, como saúde, educação e folha salarial dos servidores. Agora, na largada do seu governo, o prefeito eleito de Santa Maria, Jorge Pozzobom (PSDB), tem dito que a festa até pode sair, mas sem recurso público.
“O Carnaval até sai, mas sem dinheiro público. Se estou falando em austeridade e em priorizar a saúde, seria contraditório”, disse o Prefeito em entrevista ao Jornal Diário de Santa Maria.
No ano passado, em São Gabriel, falou-se em dificuldades, mas a Prefeitura Municipal, curiosamente, ampliou repasse de recursos para as entidades. O Governo acabou destinando R$ 158 mil para a realização do Carnaval de Rua 2016. O valor foi R$ 23 mil a mais que o montante repassado em 2015. Na época, o Chefe de Gabinete, Luis Pires, justificou a ampliação da verba de incentivo com a implantação da Liga Carnavalesca de São Gabriel.
“Quando os serviços são contratados pela Liga, os valores são mais baratos. Essa economia na aquisição de serviços nos permite ampliar o apoio as entidades”, explicou o então Chefe de Gabinete.

REUNIÃO DA LIGA
O presidente da Liga Carnavalesca de São Gabriel, Edimilson Waltemann, confirmou a convocação de todas as entidades para uma reunião, às 19h30min, na próxima segunda-feira (16/01), onde será discutido o tema. “Vamos avaliar a realização do evento com, ou sem, o apoio financeiro do Governo Municipal. Claro, nós vamos esperar o retorno da Administração, depois colocar tudo na mesa para avaliação dos dirigentes das entidades”, explicou o presidente.
As entidades aguardam a definição para definir um calendário, com datas para início dos ensaios e concurso Rainha do Carnaval.

A situação é complicada em todos os Municípios. Em Porto Alegre, na última terça-feira (10/01), o prefeito Nelson Marchezan afirmou que Carnaval de Porto Alegre não vai receber recursos da prefeitura. O evento é orçado em R$ 7 milhões. Em reunião, Marchezan propôs aos dirigentes das escolas de samba ações em conjunto para viabilizar os desfiles através de recursos da iniciativa privada.
Em Caxias do Sul, no início da semana, a Secretaria Municipal da Cultura comunicou que não fará repasses financeiros para a realização do Carnaval 2017. A justificativa é que não há recursos disponíveis por causa do orçamento enxuto da pasta.
A proposta foi oferecer serviços básicos como limpeza, água e segurança. A montagem das arquibancadas não será custeada pela prefeitura, e a instalação de banheiros químicos não está definida.
Segundo a secretária Adriana Antunes, essa será a postura do Executivo em relação a todas as festas populares e comunitárias de Caxias do Sul. A ideia é oferecer apoio para que as entidades tornem os eventos autossustentáveis e promover a busca de recursos de leis de incentivo à cultura.