COMPARADO COM 2015, NÚMERO DE MORTES NO TRÂNSITO AUMENTOU EM 2016.

acidente-onyx

Acidentes com danos materiais, como o ocorrido na manhã de terça-feira envolvendo um automóvel e um caminhão, reforçam as estatísticas de violência no trânsito. Mas, mesmo assim, tiveram números menores em 2016 se comparados com 2015

O Órgão Municipal Executivo de Trânsito (OMETRAN) divulgou no início desta semana as estatísticas do trânsito em São Gabriel no ano de 2016. O setor – ligado a Prefeitura Municipal – fez um comparativo de ocorrências ocorridas entre janeiro e novembro do ano passado levando em consideração o mesmo período em 2015.
No ano passado, de acordo com os números oficiais, a imprudência ou descuido no trânsito causou a morte de duas pessoas. No mesmo período, em 2015, apenas uma pessoa morreu.
Se levarmos em consideração os casos de mortes ocorridas após os acidentes (situação onde a vítima é socorrida com vida, mas morre depois de hospitalizada), o número de 2016 aumenta para três mortes.
E é exatamente o caso mais polêmico que não aparece nas estatísticas. A jovem Liria Gouveia Siqueira, na época com 25 anos, morreu cinco dias depois do acidente na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Santa Casa de Caridade.
Segundo a Brigada Militar, Liria ia para o trabalho em uma telemoto. A moto trafegava pela Rua João Manoel por volta das 6h10 de sexta-feira (05/02) quando teve a preferencial invadida, no cruzamento com a Rua Barão de São Gabriel, por um automóvel Pálio. A jovem foi jogada contra a parede de um prédio no momento da colisão.
O motorista do automóvel estava embriagado e foi preso em flagrante por uma equipe da Brigada Militar. Conforme os policiais, o condutor é cabo do Exército Brasileiro e ficou detido em uma das Unidades de São Gabriel. Quase um ano depois, os familiares de Liria ainda lutam por Justiça.
Casos como o dela dificilmente aparecem nos relatórios de final de ano. De acordo com o Chefe do OMETRAN, Roberto Roque Venturini, as estatísticas são feitas com base no levantamento feito no momento exato do acidente. Como não há um acompanhamento da situação – após internação, os casos de morte posteriormente não aparecem no item “Acidente com morte de Pessoa”.
Apesar disso, o relatório mostrou que o trânsito foi bem mais tranquilo em 2016. Enquanto, no ano anterior, foram registrados 218 acidentes com danos materiais, no ano passado esse número foi de 202.
Também caiu o número de infrações de trânsito. Enquanto foram registradas 1.419 em 2015, no ano passado foram contabilizadas 950.
Mas, mais uma vez, esse número, apesar de oficial, não pode ser visto como “realidade absoluta”. Conforme o responsável pelo OMETRAN, as infrações continuam acontecendo – e talvez com mais intensidade. O que diminuiu foi a fiscalização e isso se deve, principalmente, a falta de efetivo da Brigada Militar para atuar no trânsito ao mesmo tempo que precisa agir no policiamento ostensivo.

Anúncios