COBRANDO FISCALIZAÇÃO: LÍDER COMUNITÁRIO DIZ QUE PROJETO DE SOCIALIZAÇÃO NO BI É PREJUDICADO POR INVASÃO DE TERRENO.

orlando

Um terreno, na rua Sergipe, virou alvo de uma disputa judicial. E o curioso é que as partes envolvidas não são – no papel – os seus proprietários. Pertencente a Olvebra – Indústria e Comércio de Óleos Vegetais, de Porto Alegre, uma área de esquina foi entregue como pagamento de dívida ao Município e, desde então, vinha sendo cuidada pelo líder comunitário Orlando de Oliveira Dias, de 68 anos. O local era utilizado por jovens e crianças do Bairro Independência para a prática de futebol.
Orlando – que mora ao lado – iniciou a construção de uma salão comunitário em sua propriedade em 2008. A construção está em fase de conclusão e será cedida para eventos da Associação de Moradores ou para a comunidade do Bairro Independência. No entanto, ele alega que o projeto está sendo prejudicado, pois na proposta está previsto a utilização do terreno vizinho para estacionamento e construção de uma quadra de esportes.
O líder comunitário já encaminhou para a Prefeitura Municipal um pedido de cedência da área e já participou de audiência judiciais referentes a disputa pela propriedade. Hoje, no local, existe um galpão de madeira que pertence a outra parte interessada que, segundo Orlando, teria invadido a área em 2011.
O salão comunitário é sede do Núcleo Comunitário de Defesa Civil e Orientação Cívico Comunitário e será utilizado para palestras e atividades socioeducacionais envolvendo crianças e adolescentes do bairro.
“Hoje não temos numa área de lazer no bairro (a única existente mede 15 metros quadrados – pracinha do triângulo). Precisamos investir mais neste tipo de ação e oferecer para os nossos jovens opções de lazer, de interação e ocupação para evitar que eles se envolvam com a marginalidade”, argumentou.
Conforme levantamento feito pelo líder comunitário, o Bairro Independência tem cerca de 14 mil habitantes e é considerado a maior comunidade de São Gabriel. Deste total, cerca de 8 mil são jovens que precisam de ocupação.
“Temos que investir no próprio bairro. Auxiliar os nossos jovens e evitar que eles acabem sendo corrompidos pela violência e pelas drogas. O nosso projeto tem esse objetivo, de trabalhar com o jovens e oferecer um espaço para o lazer deles”, argumentou.
Orlando vai encaminhar ofício para os Poderes Executivo e Legislativo pedindo apoio e descrevendo a proposta.

Anúncios