SEGUNDO A POLÍCIA, CASO DE MENINA DESAPARECIDA É BOATO.

Menina, desaparecida no Rio de Janeiro, já teria sido encontrada. Informações de desaparecimentos em outras cidades vsão boatos

Menina, desaparecida no Rio de Janeiro, já teria sido encontrada. Informações de desaparecimentos em outras cidades são boatos

A Polícia Civil de São Gabriel informou que não há registro, na Delegacia de Polícia da cidade, de caso relacionado ao desaparecimento de uma menina de 10 anos. O assunto ganhou destaque nas redes sociais e através de grupos no whatsApp onde, supostamente, um familiar pedia ajuda na divulgação de fotos e informações que levassem a localização da criança.
A inspetora de polícia Ivonete Langendorf, responsável pelo Setor de Investigações, admitiu que a divulgação é importante quando há a confirmação oficial de órgãos como Polícia Civil e Brigada Militar. Caso contrário, situações como estas causam apenas preocupação e boatos.
Nos últimos 30 dias, a DP de São Gabriel registrou, pelo menos, três casos de repercussão na mídia com destaque para o desaparecimento de adolescentes. Os casos foram confirmados, inicialmente, pela Polícia Civil e depois noticiados na imprensa. Nos três casos, as menores foram localizadas posteriormente na casa ou em algum lugar com os namorados.
O caso da menina de 10 anos ganhou destaque na região. O jornal A Platéia, de Santana do Livramento, produziu duas reportagens, uma informando que a divulgação na internet era um boato e depois com relatos da delegada de polícia Giovana Müller, titular de DP da cidade, onde ela explica que é preciso averiguar todos os tipos de notícias recebidas virtualmente antes de compartilhar.
De acordo com o site Boatos.org, a criança já teria sido localizada e o mal-entendido desfeito desde a segunda quinzena de setembro. Apesar disso, o alerta ainda é compartilhado como se a menina estivesse desaparecida “há dias”, pois o texto não é datado. O caso iniciou no Rio de Janeiro, mas recebeu diferentes versões como se ela estivesse desaparecida também em outras cidades, inclusive aqui no Rio Grande do Sul.
VEJA A REPORTAGEM NO SITE BOATOS

NÃO COMPARTILHE BOATOS
Entrevista dada ao Jornal A Platéia
Com a internet, a difusão de informações aumenta, fazendo com que um boato ganhe proporções muito maiores. A delegada da Polícia Civil de Sant’Ana do Livramento Giovana Müller reitera que é preciso averiguar todos os tipos de notícias recebidas virtualmente antes de compartilhar. “É importante que as pessoas verifiquem se conhecem aquela pessoa antes de simplesmente ficar repassando a informação sem saber ou ter ciência da origem”, afirma. Segundo ela, os boatos podem acabar gerando muita insegurança, principalmente para os pais, e até pânico na população.
Alguns cuidados que se pode ter é verificar a credibilidade e o histórico de quem enviou a informação, cruzar as fontes com a ajuda de sites de busca como o Google, apurar a data da publicação, ler todo o conteúdo, não apenas o título, e procurar páginas especialistas como o Boatos.org e o E-farsas. Qualquer pessoa pode escrever um texto, fazer um vídeo ou gravar um áudio e divulgar nas redes sociais, por isso, em caso de dúvida, o ideal é não compartilhar.

DESAPARECIMENTOS
Ao contrário do que muitas pessoas pensam, não é preciso esperar 24 horas para avisar sobre um desaparecimento. Conforme a delegada Giovana, os casos devem ser comunicados imediatamente à polícia, através do registro de ocorrência, para que possam ser tomadas as providências necessárias.
“Acontecendo o desaparecimento, o pai, a mãe ou responsável já pode e deve comunicar à Polícia Civil, justamente para evitar esses casos que começam a se disseminar sobre um desaparecimento que sequer foi comunicado à polícia, gerando boatos que às vezes nem são da cidade, são de outras localidades e são repassados em grupos”, afirma. A partir da notificação, o procedimento da Polícia Civil é investigar e verificar onde a pessoa possa estar.
A delegada reitera que essa deve ser uma prática não apenas em relação ao registro de desaparecimento, mas de qualquer fato que gere ou seja considerado um crime. “Existem casos de subnotificação, fatos que não são notificados por vários motivos. Não podemos trabalhar se não é feito o registro, por isso a importância de serem comunicados à polícia todos os acontecimentos”, diz.
Outra orientação importante da Polícia Civil é a comunicação caso a pessoa seja localizada, pela necessidade de dar a baixa no sistema. A localização também deve ser avisada imediatamente à polícia, pois ambos os procedimentos podem ser feitos em qualquer horário do dia.