CANDIDATO A PREFEITO DE SÃO GABRIEL PODERÁ GASTAR ATÉ R$ 286 MIL EM CAMPANHA ELEITORAL.

PREFEITURA

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou na tarde de quarta-feira (20/07) os valores que serão considerados teto de gastos para candidatos que disputarem as eleições municipais em outubro. Na prática, as despesas dos candidatos a prefeito e vereador não poderão ser maiores do que as estipuladas pelo TSE. Com 47.085 eleitores aptos, o Município de São Gabriel terá como limite máximo de gastos, para o cargo de prefeito, o montante de R$ 286.981,66, e para o cargo de vereador, R$ 19.423,66.
O candidato a prefeito poderá contratar até 317 pessoas (os chamados cabos eleitorais) e o postulante a uma cadeira no Legislativo Municipal, no máximo, 159.
No Rio Grande do Sul, o maior teto é Porto Alegre, onde o candidato a prefeito poderá gastar até R$ 5,8 milhões no primeiro turno. No segundo turno, o candidato poderá gastar até no máximo R$ 1,7 milhão.
A segunda cidade com maior valor estipulado como teto para os gastos na campanha é Canoas, na Região Metropolitana. O candidato a prefeito poderá gastar R$ 1,9 milhão no primeiro turno e mais R$ 573 mil, se houver segundo turno.
Os dados foram atualizados a partir da Reforma Eleitoral de 2015 (Lei nº 13.165/2015), que introduziu várias modificações no Código Eleitoral, na Lei das Eleições e na Lei dos Partidos Políticos. A reforma trouxe outras novidades em artigos específicos, relacionadas aos limites de gastos nas campanhas de candidatos e partidos políticos.

OUTROS MUNICÍPIOS
Os candidatos a vereador também terão limite máximo de gastos estipulado pelo TSE. Em Porto Alegre, o candidato a vereador poderá gastar até R$ 429 mil. Em Canoas, quem disputar uma vaga na Câmara Municipal poderá gastar até R$ 138 mil. Já em Viamão, na Região Metropolitana, o gasto de um candidato a vereador não poderá extrapolar R$ 52,6 mil.