ACUSADO DE TRÁFICO DE DROGAS: JOVEM É BALEADO APÓS REAGIR EM ABORDAGEM DA POLÍCIA.

Policial alega que Rastafari (foto) teria tentar fugir e depois reagido durante a prisão

Policial alega que Rastafari (foto) teria tentar fugir e depois reagido durante a prisão. Mesmo ferido, ele conseguiu jogar a droga fora, sobre um telhado

Um homem de 18 anos foi baleado na manhã desta quinta-feira (14/07) durante uma operação policial na área central da cidade. Elcio Freitas Camargo, conhecido por Rastafari, foi flagrado tentando jogar drogas para dentro do pátio do Presídio Estadual. Ele foi alvejado com um tiro na perna após tentar escapar da abordagem e investir contra um agente da equipe antinarcóticos da Delegacia de Polícia de São Gabriel. O jovem foi socorrido e encaminhado para o Hospital de Santa Casa de Caridade. Depois de liberado, Camargo foi ouvido na DP e transferido para para penitenciária. Ele é acusado de envolvimento com o tráfico.
Uma denúncia anônima levou a Polícia Civil até o local. “Tínhamos a denúncia de que ele (o preso) iria arremessar droga para dentro do presídio neste dia. Montamos uma equipe de campana no local e ainda pela manhã avistamos o rapaz indo em direção ao muro, passando pelo pátio de um prédio localizado ao lado do presídio… Eu e mais dois colegas abordamos o rapaz e nos identificamos como policiais. Ele então fugiu. Tivemos que ir atrás dele, usando o veículo da Polícia. Quando foi solicitado que parasse, ele acabou investindo em minha direção. Eu efetuei um disparo que atingiu sua perna direita”, disse o policial Idel Barcelos.
O caso em São Gabriel lembrou duas situações recentes com morte de policiais. Em Porto Alegre, o soldado da Brigada Militar (BM), Luiz Carlos Gomes da Silva Filho, de 29 anos, morreu após interceptar um veículo suspeito. Três homens estavam no carro. O acusado de atirar no policial não estava armado no momento da abordagem, mas conseguir chegar até a arma e atirar contra o PM. Dois envolvidos foram presos, mas o atirador continua foragido.
Em Itacaiú, distrito de Britânia, no Estado de Goiás, uma confusão – na noite da última sexta-feira (08/07) – resultou na morte do sargento da Polícia Militar, Uires da Silva, de 45 anos. O colega dele, soldado Hélio Bezerra de Souza, foi baleado e permanece hospitalizado. O responsável pelo homicídio, Ismael Pereira, de 49 anos, também morreu.
Um vídeo registrou toda a briga que acabou no tiroteio. Os dois policiais tentavam prender o caseiro Brunno Vieira de Sousa, de 29 anos, que desrespeitou a ordem de abaixar o volume do som.
Durante a confusão, o pai de Bruno, Ismael Pereira, roubou a arma do coldre do sargento e o matou. Ele também baleou o soldado da PM, que reagiu e matou o agressor. Além de Hélio, Brunno e outra pessoa que estava na festa ficaram feridos.
A ação imediata pode evitar mortes, mas os policiais, na maioria das vezes, exitam por causa da repercussão que pode gerar o ato policial.
Em Porto Alegre, após a morte do PM, o comandante-geral da Brigada Militar, coronel Alfeu Freitas Moreira, mencionou a pressão que o policial sofre e essa postura crítica podem fazer o agente evitar uma ação mais enérgica, colocando a vida dele próprio em risco.
“As pessoas têm me perguntado se o PM não devia ter adotado uma postura mais agressiva, mais intimidatória na tarde de hoje (segunda-feira). Eu acredito que sim. Mas sei que ele deixou de adotar essa postura em razão de todos aqueles que, de maneira imediatista, sem compreensão de todo o risco que se corre e de toda a complexidade que é um cenário de uma abordagem, de uma ação policial, julgam e condenam um Policial Militar, uma Instituição”, disse o comandante em nota enviada à imprensa.

Anúncios