PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DA CÂMARA FEDERAL ANULA VOTAÇÃO DO IMPEACHMENT.

maranhão

O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), decidiu anular a votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff no plenário da Casa. A decisão, desta segunda-feira (9), acolhe um pedido feito pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo. As informações são da Rádio Gaúcha.

Maranhão – que substitui Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Câmara – anulou as sessões dos dias 15, 16 e 17 de abril, quando os parlamentares aprovaram a continuidade do processo do impeachment da presidente. Ele marcou uma nova votação para daqui a cinco sessões do plenário e já solicitou ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a devolução dos autos do processo.

Em nota à imprensa, Maranhão afirma que a petição da Advocacia-Geral da União (AGU) ainda não foi analisada e que, ao tomar conhecimento dela, resolveu acolher o pedido. Ele argumenta que “ocorreram vícios que tornaram nula de pleno direito a sessão em questão”.

“Não poderiam os partidos políticos terem fechado questão ou firmado orientação para que os parlamentares votassem de um modo ou de outro, uma vez que, no caso deveriam votar de acordo com as suas convicções pessoais e livremente”, afirmou.

Waldir Maranhão assumiu a Presidência da Câmara na semana passada, após o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinar a suspensão de Eduardo Cunha do exercício do mandato. O ministro atendeu a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que apresentou denúncia acusando o peemedebista de tentar interferir na condução das investigações da Operação Lava Jato.

Dilma pede cautela

Durante evento em Brasília, onde lançou cinco universidades federais, a presidente Dilma Rousseff falou sobre a decisão de Maranhão, mas disse que ainda não tinha “informações oficiais” sobre mudanças no processo de impeachment. “Não sei as consequências [da decisão]. Tenham cautela”, afirmou.

Ao saber sobre a anulação do processo, a plateia presente ao evento gritou palavras de ordem como “uh, é Maranhão”, em alusão ao presidente interino da Câmara.

Anúncios