“NÃO COMETI NENHUM CRIME”, DIZ SILDO, QUE ESTÁ TRANQUILO E CERTO QUE VAI CUMPRIR O MANDATO EM SUA INTEGRALIDADE.

O vereador Sildo Cabreira garante que cumprirá o mandato de vereador na sua integralidade. Em entrevista ao Jornal O Imparcial, o edil reafirmou que não houve má fé e que a ação impetrada contra ele não tem embasamento legal. A certidão apontada como causa de toda a polêmica, segundo ele, não serve para fins eleitorais.
“Estou muito confiante. E, mesmo que a decisão não seja a meu favor (na quarta-feira), o meu advogado vai recorrer e tenho certeza que vamos vencer no Tribunal Superior. Eu jamais iria expor o meu nome se houvesse algum tipo pendência jurídica. O problema não está na certidão”, reafirmou.
Na visão dele, a ação de cassação não procede e por isso o vereador age com muita segurança. “Eles poderiam ter pedido a minha inelegibilidade, mas acabaram perdendo os prazos”, disse o vereador, que acabou diplomado assegurando uma série de documentos, entre eles, a quitação eleitoral fornecida pelo próprio Cartório Eleitoral.
A lei diz que a certidão de quitação eleitoral abrangerá exclusivamente a plenitude do gozo dos direitos políticos, o regular exercício do voto, o atendimento a convocações da Justiça Eleitoral para auxiliar os trabalhos relativos ao pleito, a inexistência de multas aplicadas, em caráter definitivo, pela Justiça Eleitoral e não remitidas, e a apresentação de contas de campanha eleitoral.
“Acrescentando eu diria que: O Ministério público foi totalmente equivocado ao alegar má-fé de minha parte pois o que eu fiz foi tão somente acostar as certidões que a justiça eleitoral pede. A certidão criminal nada consta, a certidão de Quitação eleitoral me confere a qualidade de ELEGÍVEL pois o conceito de quitação eleitoral reúne a plenitude do gozo dos direitos políticos e essa plenitude segundo essa mesma certidão decorre da inocorrência de INELEGIBILIDADE.Tudo isso vem escrito na certidão.
Quem quisesse alegar uma suposta inelegibilidade teria que o fazer na época do registro e ainda assim eu teria defesa! Mas não agora! Tanto isso é verdade, que não houve má fé, que numa decisão da justiça local em Novembro de 2013, além de ser inocentado a juíza declarou que eu não estava nem estou inelegível. Tenho bons advogados constituídos e com a consciência limpa vou para briga, mas se perder aqui não me abalo pois vou para o TSE e com certeza ganho pois esse é mais um caso dos absurdos que acontecem em nosso país, onde políticos corruptos roubam, desviam e continuam participando de eleições, enquanto que outros pagam o pato em nome de uma falsa moralidade”.

Anúncios

1 Comentário

  1. para


Sorry, the comment form is closed at this time.

Comments RSS

  • Veja A Notícia OnLine no FACEBOOK