ANTINARCÓTICOS DERRUBA ESQUEMA DE TRÁFICO DE DROGAS NA ZONA NORTE.

Anjinho, de Porto Alegre, comandava o esquema

Anjinho, de Porto Alegre, comandava o esquema

Deividi era contratada. Iria ganhar conforme o que vendesse

Deividi era contratada. Iria ganhar conforme o que vendesse

Foram detidos dois homens, um de Porto Alegre e outro de São Gabriel
Operação policial de combate ao tráfico de drogas desbaratou um esquema de venda de entorpecentes que funcionava como base no Bairro São Clemente. Foram detidos por integrantes da Antinarcóticos, em uma residência na Rua Laurentino Batista, no Bairro Três de Outubro, três elementos, todos de Porto Alegre. Segundo os policiais Nasion Marques e Idel Barcelos, dois homens foram contratados para trabalhar na distribuição da droga e um terceiro, identificado como Daniel Cristiano Martins de Paula, de 25 anos, era responsável pelo comando das ações. Ele é conhecido por “Anjinho” e estava residindo em São Gabriel há cerca de um mês.
Na Rua Barão do Cambai, com a participação da PATAMO, mais sete suspeitos de envolvimento foram detidos. Numa residência, os policiais encontraram 510 gramas de maconha e 20 gramas de cocaína.  Com as investigações, os policiais constataram que as pessoas iriam ser contratadas para atuar na distribuição da droga.
Um deles, Deividi Michel Guedes da Silva – vulgo Bugio, de 24 anos, estava escondendo a droga em sua casa. Anjinho disse que pagaria para Deividi, pelo trabalho, R$ 100,00 a cada R$ 1.000,00 vendidos. O tráfico aconteceria em um beco, no Bairro São Clemente.
A prisão, ocorrida no final da manhã desta quarta-feira (22/10), é resultado de uma série de investigações que começou com a prisão de Uilson Luiz Eifler Porto Júnior, de 18 anos, ocorrida no dia 24 de setembro, no Bairro Passo da Lagoa. O rapaz foi detido em uma residência na Rua Alfredo Porciúncula junto com dois menores de idade (de 13 e 16 anos). Segundo a Antinarcóticos, na residência foram encontradas 13 pedras de crack e uma pequena quantidade de maconha.
O esquema envolvia ainda o elemento Diego da Rosa, de 22 anos, apontado – até então – com patrão, considerado o principal articulador do esquema. Ele foi detido em casa, no Bairro Novo Horizonte, na semana passada, com uma pequena quantidade de crack e um tablet furtado. Ele ainda levou a Polícia Civil a residência na Rua Laurentino Batista, onde foram localizados mais 600 gramas de maconha. Após sua prisão, Anjinho havia assumido o comando.

AGRESSOR ALEGOU LEGÍTIMA DEFESA E DISSE QUE TINHA MEDO DA VÍTIMA.

Menino de 14 anos estava há dois meses sem ir na Escola. Ele retornou para a instituição por determinação do Conselho Tutelar
O adolescente de 16 anos que teve a mão decepada por outro com uma faca durante uma briga na escola João Pedro Nunes (Polivalente) teve alta hospitalar na tarde de terça-feira (21/10). A briga ocorreu na manhã do último sábado (18/10) após o ensaio da banda da escola.
De acordo com a Polícia Civil, o menino de 14 anos responsável pela agressão prestou depoimento nesta segunda-feira (20/10) na delegacia do município, onde afirmou que a briga entre os dois foi motivada por um antigo desentendimento, e entregou a faca que havia usado. Segundo o delegado Jader Ribeiro Duarte, ele será responsabilizado, e o caso será encaminhado ao Ministério Público. O adolescente que teve a mão decepada deve ser ouvido nos próximos dias.
O agressor afirmou que agiu em legítima defesa. “Ele chegou a dizer que ficou uns dois meses sem ir na escola por temer a vítima. Alegou que tinha medo dele e, por isso, se armou com a faca. Um amigo do agressor estava apanhando e ele foi intervir. Mas no momento em que ele foi até a vítima, não há como alegar legítima defesa”, explica o delegado.
Conforme o delegado, a participação desse amigo foi confirmada na terça-feira. Ele inicialmente disse que tentou ajudar, mas depois confirmou que participou das agressões e que também chegou a puxar uma faca durante a briga. A mãe dele tentou “enganar” a polícia ao entregar uma faca de cozinha, pequena e sem fio. Com as investigações, ela acabou admitindo que a arma era outra e entregou, posteriormente, uma faca maior (de 30 cm de lâmina).
Ainda, segundo a Polícia Civil, estão sendo ouvidas testemunhas do caso. Não se sabe se, no momento da agressão, havia um professor acompanhando o grupo durante o suposto ensaio da banda. No entanto, o site G1 (da Blobo.com) publica a declaração de um professor da instituição, que indica que ele estaria presente: “O aluno que foi atingido tentou se defender levantando o braço. A mão dele foi decepada na hora. O agressor ainda tentou correr atrás do outro, queria matar ele mesmo”, explicou ao G1 o presidente do conselho de educação do colégio polivalente, Jorge Carvalho.
Carvalho acredita que a escola não tenha responsabilidade pelo ocorrido. “Não foi uma falha na segurança. A escola nem estava funcionando. Ela fica aberta aos sábados para outros eventos, como ensaios, atividades esportivas. Além disso, nosso terreno é muito grande, não tem como cuidar tudo”, diz o professor.
A polícia trata o caso como lesão corporal gravíssima.
Cerca de 40 alunos fizeram uma caminhada pelas principais ruas da cidade, na tarde de segunda-feira, pedindo mais segurança na escola. Segundo a assessoria jurídica da 19ª Coordenadoria Regional de Educação (19ª CRE), os ensaios da banda fazem parte do programa Escola Aberta, realizado aos sábados na escola.

O POLICIAL NÃO PODE VIRAR ALVO: ACAS-BM DEFENDE PROPOSTA QUE GARANTE PASSE LIVRE E ELIMINA EXIGÊNCIA DO USO DE FARDA PARA BRIGADIANOS.

brigadianos 1
Projetos protocolados na Câmara de Vereadores de Porto Alegre e na Assembleia Legislativa buscam garantir que servidores de nível médio da Brigada Militar e integrantes da Guarda Municipal da Capital tenham isenção do pagamento das tarifas de ônibus sem necessidade de estarem fardados. De autoria do vereador Cassio Trogildo (PTB), a proposta para os ônibus de Porto Alegre prevê que seja utilizado documento de identificação funcional ou cartão eletrônico de passe gratuito.
O PLL foi protocolado na sexta-feira (17/10), dia seguinte ao assassinato do soldado da BM Márcio Ricardo Ribeiro, 42 anos. Lotado no Batalhão de Polícia de Guarda (BPG), Ribeiro foi baleado dentro de um ônibus na zona sul da Capital.
“O projeto concede isenção para quando não estiverem com farda, mas a isenção já existe. Não tem nenhum incremento de despesa no que representa a questão da planilha tarifária. A isenção, hoje, é praticada quando o policial militar ou o guarda municipal está fardado”, detalha Trogildo.
Para agilizar a tramitação, o vereador solicitará um encontro conjunto das comissões da Casa. O parlamentar prefere não fazer uma previsão de quando a proposta — que aguarda parecer da Procuradoria — irá a plenário, mas espera que seja neste ano: “Tudo depende do formato que estamos imaginando. Depende de questões de quórum, é muito difícil falar em prazo. Em um rito normal, não levaria menos de seis meses”.
A decisão sobre o uso de documento funcional ou cartão emitido pelo poder público ficaria para o momento da regulamentação da lei. O autor, porém, já entrou em contato com o diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, para o estudo da melhor forma de fazer a identificação.
Em 2007, a vereadora Maria Celeste (PT) encaminhou um projeto sobre o mesmo tema, mas foi rejeitado.

PROPOSTA JÁ HAVIA SIDO PROTOCOLADA NO LEGISLATIVO ESTADUAL
Na Assembleia Legislativa, o projeto do deputado Carlos Gomes (PRB), protocolado nesta segunda-feira (20/10), já havia sido apresentado pelo então deputado Marquinho Lang em 2007, mas acabou arquivado. A proposta diz que “o militar estadual, fardado ou trajando roupas civis, deverá apresentar ao motorista do ônibus ou funcionário responsável da empresa sua Carteira de Identidade Funcional, fornecida pela Brigada Militar ou pelo Corpo de Bombeiros.
“Desarquivamos o projeto porque é um pleito justo. O elemento surpresa está para os bandidos e não para a Brigada porque, uma vez fardado, o policial vira um alvo fácil”, justifica Gomes.
Está é a mesma opinião do presidente da Associação de Cabos e Soldados da Brigada Militar de São Gabriel (ACAS-BM-SG), Celmar Carbajal Borges.
“O PM não pode ser visto dentro do ônibus como uma agente de segurança da empresa. Ele está usando o coletivo como transporte. Toda a vez que estiver identificado com a farda ele vira alvo”, argumenta Borges.
Ele alega que existem outras casos (se referindo a um caso que envolveu uma policial civil, que ao abrir a bolsa, deixou cair a alguma). “Ao ser identificada, ele acabou sendo executada”.
Na visão do policial, o Brigadiano não pode ser visto como um super herói. “Existem procedimentos padrão para estas situações. O Policial está orientado, quando não tem condições de agir, a pedir reforço… Mas no momento que aparece fardado, a população cobra uma ação imediata e o agente policial perde o fator surpresa”.
O PL 210/2014 estabelece que as empresas de ônibus permissionárias de linhas intermunicipais cedam duas passagens por coletivo para os policiais militares. O projeto altera a Lei 9.823, de 22 de janeiro de 1993.
Presidente da Associação Beneficente Antônio Mendes Filho (Abamf), que representa os servidores de nível médio da BM no Estado, Leonel Lucas comemora a iniciativa dos parlamentares: “A intenção é que o brigadiano entre no ônibus como civil. Nossa expectativa é grande, estamos acompanhando de perto para que a tramitação seja a mais rápida possível”.

PATAMO FLAGRA JOVEM COM NOVE BUCHAS DE MACONHA PARA COMÉRCIO.

estefan

drogas

Uma equipe da PATAMO deteve em flagrante, na noite de domingo (19/10), no Calçadão de São Gabriel, o elemento Estefan Ferreira Rodrigues, de 20 anos. Ele foi detido com nove buchas de maconha prontas para comercialização. De acordo com os policiais, o acusado foi flagrado num grupo de jovens reunido na parte de baixo do Calçadão, embaixo da área coberta da antiga CEF Estadual.
A droga foi encontrada no bolsa da calça do acusado. “Ele alegou que tinha achado a maconha na pista de skate da Praça Camilo Mércio”, comenta o policial.
A PATAMO alerta que, com as ações frequentes nas praças da cidade, os traficantes estão investindo na disseminação do tráfico controlado (com pequenas quantias sendo vendidas) no Calçadão de São Gabriel.

PRF PRENDE “LADRÕES” E RECUPERA FURTO.

A Polícia Rodoviária Federal de Rosário do Sul prendeu em flagrante, na entrada cidade, três elementos acusados de furtar um auto rádio de um veículo estacionado no Posto Batovi. A ação dos marginais foi denunciada pela própria vítima que, ao notar que havia sido furtada, observou a atitude suspeita dos tripulantes de outro veículo próximo ao posto.
A vítima perseguiu os “ladrões” e anotou a placa do veículo – IMG 2525 de Rosário do Sul – e vendo que eles se dirigiam a cidade vizinha, informou os policiais por telefone.

ADOLESCENTE “PERDE” A MÃO EM BRIGA COM FACAS.

Um adolescente de 16 anos teve a mão arrancada em briga na manhã de sábado (18/10), no Bairro Vargas, na zona oeste de São Gabriel. O caso aconteceu depois de um ensaio da banda na Escola Estadual João Pedro Nunes, por volta das 10h30min. Conforme a Polícia Civil, o ataque aconteceu no pátio do colégio. A vítima foi abordada por outro adolescente de 14 anos que o esperava com um faca e desferiu o golpe. Segundo os policiais, os rapazes teriam entrado em luta corporal (a Civil investiga a informação de que ambos estavam com armas brancas).
Socorrido por moradores, o menino ferido foi levado para o Hospital de Santa Casa de Caridade — onde segue internado. O agressor fugiu e se apresentou à delegacia no final da manhã de sábado acompanhado de familiares. Os dois teriam tido um desentendimento no dia anterior. Moradores da região marcaram um protesto para as 13h de hoje pedindo mais segurança no colégio após a agressão, que gerou repercussões nas redes sociais.
Em relato ao Jornal Diário de Santa Maria, a Secretaria Estadual da Educação informou que o aluno agredido havia abandonado a escola e retornou na semana passada. A vítima é um dos menores envolvidos em um caso de agressão ocorrido no mês de abril, em frente ao prédio da Delegacia de Polícia. Na época, ele ajudou outros jovens a espancar com pedras o jovem Giovani Machado. A violência foi flagrada pelas câmeras de segurança da DP.
A coordenadora regional da área, Meire Garagorry, foi informada do caso na manhã de ontem pela diretora do colégio.
“Foi um caso isolado em um momento de ensaio da banda, que qualifico como muito grave. Iremos tomar as devidas providências junto ao Conselho Tutelar e ao Ministério Público”, disse.
Nesta segunda-feira, Meire deve se reunir na escola com a direção e os pais dos adolescentes envolvidos.

NOVO CASO: MENINA DE 13 ANOS INFORMA “FALSO” ESTUPRO. NA VERDADE, ELA TEVE RELAÇÃO COM ADOLESCENTE DE 17 ANOS.

Em setembro, menor confirmou relação com homem de 32 anos dentro da casa da mãe.

Menos de um mês após o registro de estupro – registrado pela mãe, a menina de 13 envolvida em investigações do Cartório Especializado da Polícia Civil de São Gabriel voltou a ser protagonista em mais um caso policial. Ela foi encaminhada, na noite de terça-feira (14/10), para o Hospital de Santa Casa de Caridade, onde comunicou que teria sido novamente estuprada. Naquele mesmo dia, os familiares já haviam informado o seu desaparecimento.
A menina teria saído de casa no começo da tarde sem comunicar os responsáveis. Na primeira parte das declarações, ela teria dito para a mãe e para a equipe do Cartório Especializado que o autor das agressões era o mesmo do primeiro caso (ocorrido em setembro – veja resumo abaixo).
Desta vez, a menina disse que agressor teria lhe encontrado próximo aos trilhos, lhe forçado a ir para a parte de trás da antiga Comaig e, no mesmo local, mantido relações sexuais. Depois disso, o homem lhe deixou próximo ao Hotel São Luiz.
De acordo com a polícia, as declarações preliminares foram descartadas: “Era tudo mentira. Ela admitiu depois”, disse a policial.
A investigação confirmou que não existe relação do homem (envolvido no primeiro caso) com as denúncias da menina neste segundo caso. Vendo que as mentiras estavam sendo descobertas, a “vítima” admitiu que mantivera relação sexual com um menor de 17 anos. Mais uma vez, consensual.  De acordo com as declarações, além dos dois relacionados no processo, a menina já teve contato sexual com outros cinco homens.
As policiais perguntaram o porquê de tantas mentiras: “Ela disse que não sabe por que mente. Simplesmente mente. E a maioria dos homens ela conheceu em supermercados”, explicou a inspetora de polícia.

ENTENDA O CASO
As investigações envolvendo a menor começaram em setembro (sexta-feira 19/09). A menina teria sido abusada dentro de casa (no quarto dela) enquanto a mãe e as irmãs estavam em outras dependências da residência. De acordo com os policiais, o sexo foi consensual, no entanto, por causa da idade, o ato foi qualificado como crime (sexo com menor de 14 anos).
A menina conheceu o acusado no interior de um supermercado quando fazia compras. A menina conta que o homem esperou as pessoas da casa dormir e entrou por uma janela. Já no quarto, ele manteve relações sexuais com a menina. O ato só foi interrompido quando a mãe de vítima flagrou os dois na cama.
O acusado confirmou tudo. E disse que gosta da menina.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.622 outros seguidores